Mercado de Criptomoedas por TradingView

Há 13 anos, bitcoin saiu do papel e virou realidade com transferência

Foto: Unsplash.

Há treze anos, em 3 de janeiro de 2009, o bitcoin saiu do papel e virou realidade. Foi quando aconteceu a mineração do primeiro bloco da rede, com uma transferência de 50 bitcoins. Por isso, muitos consideram a data de hoje o aniversário da primeira criptomoeda, que é também a mais valiosa.

Hal Finney, ativista da criptografia, anunciou num tweet que a rede estava rodando. Assim, foi a primeira pessoa a receber bitcoins diretamente do Satoshi Nakamoto, que criou o conceito de bitcoin e contou sua criação num white paper que publicou em outubro de 2008.

Além de minerar o bloco, colocou uma mensagem codificada: The Times 03/Jan/2009 Chancellor on brink of second bailout for banks (The Times (jornal): Primeiro ministro à beira de dar o segundo pacote de ajuda a bancos). O que só aumentou as suspeitas de que bitcoin nasceu como resposta à derrocada de bancos na crise financeira global de 2008.

A transação com bitcoin, ou seja, a mineração do bloco Gênesis, foi um fato fundamental na história da criptomoeda e da criação de um ecossistema blockchain, como lembrou o especialista Thiago Padovan, na reportagem sobre os 13 anos do white paper sobre bitcoin.

Finney era também desenvolvedor de softwares e cypherpunk, a pessoa que defende a criptografia para ´privacidade e dinheiro eletrônico. O tweet que escreve foi o abaixo.

Bitcoin é adolescente de 13 anos que vale US$ 900 bilhões

Aos 13 anos, bitcoin é um adolescente de cerca de US$ 900 bilhões. Já valeu mais, mas ultimamente perdeu valor de forma significativa. Nos últimos sete dias, a queda é de cerca de 9%, com a cotação a US$ 46,1 mil. Isso depois de bater recorde em 2022.

Além disso, o aniversário acontece num momento em que a taxa de hashes bateu recordes. Essa taxa é uma das referências de bitcoin e se refere aos blocos criados na rede. Isso indica a força computacional dos mineradores de blocos para verificarem transações na rede e minerarem novos bitcoins. Ontem (2), a taxa foi recorde de 203,5 exahashes por segundo (EH/s).

A notícia chama atenção não apenas pelo recorde, mas também por vir após a taxa despencar em junho depois que a China anunciou limitações à mineração de bitcoin. As estimativas sempre foram de que boa parte da mineração acontecia no país. Na ocasião, chegou a 61 EH/s, depois de atingir 190 EH/s.

Essa força computacional tem muita importância porque significa que a rede está mais segura, ou seja, menos vulnerável a um ataque.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.