Entra no mercado mais uma cripto ligada ao real, a Celo Real

O Brasil se tornou hoje (27) o único país do mundo a ter uma moeda estável (stablecoin) da Celo. O Celo Real (cReal) está disponível a partir de hoje nas bolsas FlowBTC, NovaDax e na Ripio. “A moeda pode ser negociada e usada para pagamentos no comércio, assim como para acessar aplicativos de finanças descentralizadas sem fricção regional”, disse a Celo num comunicado.

As carteiras digitais Coins, que é do mesmo grupo da FlowBTC, e a Bitfy, também se integraram ao cReal. Além disso, protocolos de finanças descentralizadas (DeFi) como Moola Market, Ubeswap e Valora também se conectaram à stablecoin.

A Celo, que opera por celular e tem foco em inclusão financeira, tem também as stablecoins Celo Dollars (cUSD) e Celo Euros (cEUR). o cReal tem lastro em diferentes criptoativos, incluindo o bitcoin e o ethereum, para manter seu valor, que estão na reserva da Celo. Em cReal há hoje R$ 6,949 milhões (cerca de R$ 1,28 milhão). A reserva também inclui os tokens MCO2, da brasileira Moss.

Essa não é a única criptomoeda relacionada ao real. Além dela há, por exemplo, o Brazilian Digital Token (BRZ) da Transfero, que é pareada ao real. A empresa inclusive comprou recentemente a também stablecoin CryptoBRL (CBRL).

Uso de criptos no Brasil gerou Celo Real

De acordo com a Celo, a cReal nasceu do crescimento rápido de uso de criptomoedas no Brasil nos últimos três anos. Em 2020, em seu perfil no Medium, o validador Tango defendeu que para ser realmente inclusiva, a Celo precisava atender os desbancarizados da América Latina.

Portanto, começar pelo Brasil faria todo sentido. O país não apenas tem a maior população da região, como tem o maior número de desbancarizados. “E aí que a Celo pode fazer a grande diferença”, disse o Tango. A governança da rede autorizou o lançamento em dezembro passado.

Assim, o cReal é uma stablecoin descentralizada, com garantia excessiva, que segue o valor do real. Esse tipo de criptomoeda busca reduzir o risco de volatilidade de preço de uma moeda, diz a Celo.

“Em comparação com as stablecoins lastreadas em moeda fiat, as stablecoins algorítmicas que usam código aberto e mecanismos de estabilidade baseados em contratos inteligentes, tendem a manter seu valor de forma mais eficiente. Além disso, o mecanismo é mais transparente.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *