Mercado de Criptomoedas por TradingView

UE quer retirar licença de corretora que não combate lavagem de dinheiro

As corretoras de criptomoedas avançam na atuação em países da Europa, ao mesmo tempo em que a região aperta o cinto em torno do cumprimento de regras. Em comunicado conjunto, as autoridades supervisoras europeias recomendam a retirada da licença de operação de exchanges que descumpram leis sobre lavagem de dinheiro do bloco europeu.

O comunicado das Autoridades Europeias de Supervisão (EBA, EIOPA e ESMA-ESAs, nas siglas em inglês) defende que seja introduzida, em todas as leis setoriais relevantes da União Europeia, um fundamento jurídico específico para revogar licenças por violações graves das regras AML/CFT (Anti-money Laundering and Countering the Financing of Terrorism).

Para garantir que as exchanges estejam em conformidade com as regras AML/CFT ao terem a concessão de autorização ou registro, os supervisores europeus pedem a inclusão de avaliações, pelas autoridades competentes, em torno da adequação dos arranjos e processos que garantam essas conformidades. “Para isso, deve ser assegurada a cooperação e o intercâmbio de informações entre os supervisores prudenciais e os supervisores AML/CFT”, indica o documento.

O Relatório conjunto também destaca a importância da integração adequada das questões ligadas à lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo na regulação e supervisão prudencial, inclusive na proposta para o Regulamento de Mercados de Criptoativos (MiCA), atualmente em negociação.

Último recurso

Os supervisores europeus esclarecem, no entanto, que a decisão de revogação de licenças será tratada como medida de último recurso, sujeita a uma avaliação discricionária e de proporcionalidade.

Nesse sentido, haverá critérios uniformes para a noção de infração grave às regras AML/CFT. Segundo o relatório, “a identificação de uma infração grave está sujeita a uma avaliação caso a caso pelo supervisor AML/CFT”.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.