Regulamentação de tecnologias emergentes foi destaque no primeiro dia da Paris Blockchain Week

A emergente regulamentação global de todas as tecnologias disruptivas, inclusive de blockchain e seus criptoativos, foi um dos destaques do primeiro dia da Paris Blockchain Week 2024, que acontece desta terça-feira (9) a quinta-feira (11), no Museu do Louvre, conhecido por abrigar obras históricas como a Monalisa, de Leonardo da Vinci. O PBW, um dos maiores eventos sobre blockchain no mundo e o Blocknews é parceiro de mídia do evento.

Embora não seja possível dizer que este primeiro dia do PBW 2024 tenha sido cheio de surpresas, foi categoricamente recheado de debates calorosos sobre regulamentação de novas tecnologias. Isso incluiu desde como regular tecnologias emergentes sem afogá-las, a criar um ambiente propício à inovação. Além de outros pontos como a forma que as empresas navegando em águas turvas devem agir diante dos avanços regulatórios.

Durante a discussões, ficou claro que o aspecto tecnológico da inteligência artificial (IA) continua sendo tema importante, mas não é. A bola da vez é sua regulamentação e como fazer isso para superar os abalos de confiança e procedimentos jurídicos que projetos como o da Open AI geraram nos últimos meses.

E se por um lado, em um painel sobre o ambiente regulatória mundial, Przemyyslaw Kral, CEO da exchange Zonda Crypto, resumiu que “regulamentação é sobre dinheiro”, no painel “Blockchain como proteção para AI”, Maha Ai-Saadi, Chefe de Assuntos Regulatórios da Autoridade Central Financeira do Qatar, deu outra visão. Ele defendeu que regulamentação é uma forma de prover segurança e proteção tanto ao usuário final quanto para os provedores de serviços.

Paris Blockchain Week teve Binance e Sorare

Nesse sentido, será que empresas que interagem com tecnologias disruptivas devem andar a passos largos ou acompanhar a marcha regulatória? Sucumbir aos riscos ou se apoiar neles para explorar o mercado? A Sorare, unicórnio europeu e plataforma de ativos digitais colecionáveis e jogos deu sua visão do assunto.

Jennifer d’Hoir, Diretora de Política Pública Global da Sorare, afirmou que estabelece contato ativamente com reguladores para explicar como o negócio da empresa funciona. E que busca o que considera o melhor caminho para regulamentação da atividade de Gamefi na Europa e em outras jurisdições. 

Ao falar sobre regulamentação, Richard Teng, CEO da Binance, afirmou que a empresa atua com reguladores e forças policiais para “ajudá-los a entender como usar a tecnologia para combater crimes de maneira mais eficiente”. Teng assumiu o cargo depois que a maior exchange do mundo enfrentou acusações nos EUA. E que, entre outros pontos, levaram à saída do ex-CEO e cofundador, Changpeng Zhen. Enquanto isso, CZ aguarda sua sentença.

*Victor Cabral é advogado e mestrando em Direito Penal, Criminologia e Ciências Sociais pela Universidade de Nantes. Além de podcaster pelo Banco Aberto, também é especialista em compliance e legal research pelo Dyskant Advogados.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *