Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

Uso de blockchain no agronegócio tem impacto positivo no retorno sobre investimento

Blockchain na agricultura tem demonstrado ganhos ao produtor e consumidor.

A discussão econômica sobre a certificação de produtos agrícolas é ampla e complexa nos dias atuais. E o debate sobre qual é o nível adequado da intervenção mercadológica, setorial, sustentável e governamental na certificação digital registrada distribuída é muito procedente.

De uma tendência, blockchain passou a ser uma exigência de nichos de mercado e de indústrias. A tecnologia tem demonstrado que o registro da certificação digital passa a ser cada vez mais essencial.

Porém, é obrigatória e mais eficiente para mercados com assimetria de informação, assim como os menos eficientes em questões ambientais ou outras externalidades associadas à produção ou consumo.

Portanto, quais são as peças fundamentais que precisam ser trabalhadas no processo de certificação digital de alimentos globais, tendo a rastreabilidade como a garantia de origem de produtos agrícolas? Qual a estrutura ideal de decisão dos setores privado e público no que diz respeito à certificação da produção brasileira de alimentos?

Há alguns anos, do ponto de vista do papel do setor público, a questão central era se a política de certificação e rastreabilidade deveria ser mandatória ou de adesão voluntária.

Passou a ser obrigatória, porque o mundo deseja saber a procedência dos produto, como foi produzido, que insumos usaram e demais informações, em detalhes.

Mas, experiências internacionais parecem sugerir que há espaço para ambas estratégias, cabendo estudar cada caso específico. Para organizar o raciocínio ao redor dessa questão-chave, uso a estrutura analítica proposta pela economista Kathleen Segerson.

Temos como exemplo os setores da carne vermelha, fertilizantes, sementes, grãos, frutas, vegetais, produtos alimentícios derivados, subprodutos de óleos e derivados de grãos que permite uma excelente avaliação empírica das considerações teóricas apresentadas.

Existem, nessas cadeias, exemplos de adesão voluntária a processos de certificação. Assim como há a importância do setor público nas políticas de controle sanitário e de rastreabilidade do produto exportado, sendo estas, de caráter mandatório.

Além desses setores, foram estudados também dois modelos de certificação no âmbito governamental: o Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina (Sisbov), a Produção Integrada de Frutas (PIF) e a cadeia produtiva de grãos e commodities agrícolas em geral.

Concluiu-se de fato que projetos de blockchain nas cadeias do agronegócio promovem ganhos reais de valor agregado de preços efetivos na ponta para o consumidor, onde o mesmo consume e paga por produtos de melhor qualidade, procedência e com certificação digital.

Isso traz, de forma distribuída, benefícios tangíveis, largando na frente de setores que estão transformando, com inovação e tecnologia blockchain, a segurança, o compliance, a transparência e o crescimento mútuo entre os participantes.

Estudamos que o mercado procura por produtos de nicho, transformando-os em “especiais” e melhores, com extremo diferencial competitivo de mercado, ou seja, tendo ROI com resultados expressivos e margens.

Casos de sucesso com blockchain promovem diversidade, disrupção e novas formas de negócios às empresas que largam na frente em seus setores. Como é o caso do agronegócios, que se posiciona como produtos gourmet, sendo especiais e essenciais para o consumidor.

Eduardo Figueiredo é CEO & Fundador – SBR PRIME Inspection, Eng. Mecânico USP-Poli, Eng. Agronomo Esalq-USP, Mestrado em Agricultura de Precisão em Máquinas e Equipamentos – ESALQ USP, Doutorado em Economia Aplicada na Performance de Resultados na integração da cadeia Produtiva de Grãos – CEPEA ESALQ USP

0 Comentários

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>