Blockchain revoluciona a segurança da identidade digital

Mauricio Conti fala da possibilidade de blockchain na segurança.

O mercado de blockchain está em constante crescimento e é esperado que atinja cerca US$ 23,3 bilhões este ano, com uma taxa composta anual de crescimento (CAGR) de 80,2%, de acordo com uma pesquisa publicada pela Market&Markets. Isso se deve ao aumento da adoção da tecnologia em setores como finanças, saúde indústria de alimentos e logística. Como os leitores do Blocknews sabem, blockchain é uma tecnologia de registro distribuído que permite a criação de uma base de dados compartilhada e segura entre vários participantes. Foi originalmente desenvolvida para ser utilizada como registro de transações financeiras, mas tem sido aplicada em uma variedade de outras áreas, incluindo a segurança da presença digital de uma pessoa, assim, sua identidade digital.

A segurança da presença digital é uma preocupação crescente devido ao aumento da quantidade de informações pessoais armazenadas online. As redes sociais, os provedores de e-mail e outros serviços online coletam e armazenam informações sobre as pessoas, incluindo suas atividades, contatos, dados pessoais e histórico de navegação. Essas informações podem ser facilmente acessadas por hackers ou outras pessoas mal-intencionadas, o que pode gerar problemas como roubo de identidade, invasão de privacidade e danos à reputação.

Uma recente pesquisa do Mobile Time mostra que que 59% dos brasileiros utilizam até cinco senhas diferentes em serviços digitais. “Os problemas causados por essa fragmentação poderiam ser mitigados caso fossem utilizadas ferramentas descentralizadoras como parceiras, afinal nem todos os canais são tão seguros quanto aparentam ser”, comenta Gustavo de Camargo, VP de vendas da VU no Brasil.

Blockchain ajuda a criar identidades digitais com dados escolhidos

A blockchain pode ajudar a resolver esses problemas, pois oferece uma forma segura e transparente de
armazenar e compartilhar informações. As transações e dados registrados em uma blockchain são criptografados e distribuídos entre vários participantes, o que significa que não podem ser alterados ou excluídos por uma única pessoa ou entidade. Isso torna a blockchain uma plataforma ideal para armazenar informações pessoais, pois oferece uma camada adicional de segurança contra roubo de identidade e outras ameaças à segurança.

Além disso, a blockchain permite que as pessoas tenham mais controle sobre suas informações pessoais. Por exemplo, as pessoas podem usar blockchain para criar “identidades digitais” que contenham apenas as informações que desejam compartilhar com outras pessoas. Isso significa que podem escolher quais informações são compartilhadas com as redes sociais, os provedores de e-mail e outros serviços online, e podem revogar essas informações a qualquer momento.

Existem alguns exemplos de como a blockchain está sendo usado para aumentar a segurança da presença digital. Por exemplo, a empresa de segurança cibernética Hashstacs está desenvolvendo uma plataforma baseada em blockchain chamada Stacs, que permite que as pessoas criem e gerenciem suas próprias identidades digitais. A plataforma também permite que os usuários autentiquem suas identidades com outros participantes. Isso inclui, por exemplo, provedores de serviços financeiros e de saúde, sem a necessidade de compartilhar informações pessoais desnecessárias.

Era da identidade digital reutilizável

Outro exemplo é a empresa de tecnologia blockchain SelfKey, que está desenvolvendo uma plataforma para que pessoas armazenem e gerenciem informações pessoais de forma segura e privada. A plataforma também permite que os usuários autentiquem suas identidades com outros participantes, como bancos e corretores. Assim como oferece acesso a uma variedade de serviços, como abertura de conta bancária e investimentos.

“Estamos entrando na era da Identidade Descentralizada e Reutilizável, que traz maior controle para as pessoas e mais confiança para as empresas nos dados pessoais compartilhados. Portanto, isso diminui drasticamente as fraudes de identidade. Blockchain é a infraestrutura ideal para o armazenamento das evidências para as provas sobre os dados reutilizáveis”, afirma Fernando Marino, responsável técnico por produtos blockchain do CPQD.

Além disso, há um crescimento do uso do blockchain para garantir a segurança de dados e identidade digital em áreas como saúde e finanças. A tecnologia é usada para garantir a confidencialidade dos dados de pacientes em sistemas de saúde eletrônicos. E para garantir a autenticidade dos documentos e transações financeiras.

Atores do mercado

Alguns dos principais players no mercado de blockchain incluem:

• Microsoft: a empresa tem uma plataforma blockchain chamada Azure Blockchain, que permite para que empresas criem e gerenciem aplicativos blockchain personalizados. A Microsoft também está trabalhando em projetos de identidade blockchain, como a iniciativa ION.

• IBM: a plataforma IBM Blockchain permite que as empresas criem e gerenciem aplicativos blockchain personalizados. A IBM também está trabalhando em projetos de blockchain para uso em setores como saúde.

CPQD: o CPQD iD é uma plataforma para aplicações de identidade digital descentralizada baseada em blockchain. Conecta as instituições que validam as informações com as pessoas que controlam e compartilham seus dados com os serviços digitais. Funciona como um serviço para a criação e verificação de identidade digital descentralizada.

Reuso de identidade e registros

Entre seus recursos, destacam-se o reuso da identidade e registros e o armazenamento de múltiplas credenciais para diferentes serviços de empresas ou entidades distintas. Além disso, permite a autenticação segura e sem senhas e uma carteira digital (white label) para dispositivos móveis.

Além dessas grandes empresas, há várias startups e empresas de blockchain emergentes trabalhando em soluções inovadoras. Uma delas é a SelfKey, mencionada anteriormente, que trabalha numa plataforma de identidade blockchain descentralizada. Em resumo, o avanço da blockchain tem o potencial de impactar diretamente na segurança da presença digital de uma pessoa, fornecendo uma camada adicional de segurança e privacidade. Permite que as pessoas tenham mais controle sobre suas informações pessoais e oferece uma forma segura e transparente de armazená-las e compartilhá-las com outras pessoas.

Com isso, o atrito na jornada do consumidor diminui, pois permite carregar sua identidade digital de maneira segura com cadastramento dessas identidades usando validações biométricas no onboarding. E faz isso ao invés de se submeter a começar do zero a cada nova transação e correr grandes riscos. Esperamos ansiosamente que este novo universo muito mais seguro de nossa “online persona” vire realidade logo, pois irá revolucionar a presença digital de todos nós.

Outros artigos de Maurício Conti:

Stablecoins ou meios de pagamentos tradicionais, qual a melhor opção?

Web Summit 2022 e as novidades para o mundo blockchain

Atlas: de robô a investigação da PF da maior pirâmide de cripto do Brasil

Ausência de blockchain mostra pouca segurança e facilita ataques

O dia em que fui bloqueado pela Meta por falar em cripto

A tokenização de ativos imobiliários veio para ficar

Como blockchain poderia ter evitado uma “sangrenta” guerra cibernética?

R$ 26 bilhões em jogo, um roubo de criptomoedas que fez história

Metaprofissões e blockcarreiras: conheça as novas possibilidades em TI

Conheça as 8 startups que apostam no uso de blockchain

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *