Avanço da tokenização: uma oportunidade emergente no Brasil

Dangelo Machado, CEO da Zuvia.

O mercado de tokenização de ativos financeiros tem crescido gradual e significativamente no Brasil. Esse fenômeno é impulsionado por fatores como a crescente digitalização, a iniciativa dos órgãos reguladores, a exemplo do Drex, e o desenvolvimento da indústria blockchain. À medida que essa tendência ganha tração, surgem oportunidades. Para aproveitá-las, alguns movimentos são fundamentais.

O total de ativos tokenizados no país em 2023 alcançou a marca de R$ 542 milhões. É um número significativo, considerando o porte do mercado brasileiro e o conhecimento ainda incipiente das pessoas sobre o tema. O ritmo dessa expansão, no entanto, dependerá especialmente de três grandes fatores: regulação, o investimento em infraestrutura tecnológica e a aceitação pelo mercado e pela sociedade.

A implementação de uma regulamentação clara para a tokenização é essencial e urgente para que os investidores se sintam confortáveis e confiantes. O estabelecimento de leis e regras próprias garantirão segurança jurídica, ampliarão a transparência nas transações e aumentarão a eficiência e governança das empresas voltadas para a oferta de soluções digitais, contribuindo para a democratização do acesso a investimentos com retornos anteriormente restritos a grandes investidores.

Quanto à infraestrutura tecnológica, mesmo que hoje já se tenha um ambiente seguro para as transações, é fundamental desenvolvê-la para apoiar o crescimento sustentável do mercado de tokenização de ativos. Investimentos em tecnologias como blockchain e segurança cibernética, com foco no aumento da eficiência e na oferta de novos recursos e ferramentas, são essenciais para garantir a integridade e a confiabilidade das plataformas de tokenização.

Juntos e por si só, esses dois fatores já contribuem, e muito, para a aceitação desse novo mercado pelos investidores. Porém, considerando que boa parte da sociedade ainda não conhece bem o tema nem compreende as suas vantagens e diferenciais – entre eles, a maior acessibilidade, democratização financeira, liquidez e transparência digital –, faz-se necessário investir na educação para o crescimento desse mercado e para que se criem possibilidades e meios de gerar desenvolvimento econômico e social.

A expansão da tokenização de ativos não irá substituir as modalidades tradicionais de investimentos. Pelo contrário, complementará as formas atuais, possibilitando ao investidor mais experiente diversificar sua carteira e, ao investidor iniciante, começar a aplicar em opções acessíveis e de baixo risco, como no caso da renda fixa digital.

Assim, a tendência global em direção à digitalização dos ativos deve ser observada em todo o mundo nos próximos anos. Mas, para que esse movimento aconteça de maneira mais ágil, eficiente e organizada, o setor precisará demonstrar, de maneira concreta, seus benefícios. Entre eles, liquidez, transparência, segurança e acesso a mercados anteriormente inacessíveis. A jornada está posta e temos um longo caminho a trilhar.

*Dangelo Machado é cofundador e CEO da Zuvia, startup de soluções digitais em renda fixa digital. Começou sua trajetória em 2010 como investidor anjo em telefonia. Há dez anos mora nos EUA, onde estudou na universidade de empreendedorismo Draper (Califórnia) e passou investir em startups, fintechs, bank as a service e e-commerce.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *