“A tecnologia pode fazer muito: ela nos ensina ‘o quê’ e ‘como’. Mas, não nos diz o ‘porquê’”, lembra Papa Francisco

Taynaah Reis, CEO e fundadora da Moeda.

Desde 2019 faço parte da “Economia de Francisco”, um pacto firmado por mil jovens empresários e economistas de 120 países. Participantes que afirmam compromisso em favor da “nova economia” inspirada nos valores de São Francisco de Assis.  Me impressionou as colocações do Papa Francisco sobre a tecnologia poder “fazer muito” e ser catalizadora de mudanças, mas se utilizada a fim de buscar novos paradigmas tais como:

  • Competição versus colaboração;
  • Exploração versus sustentabilidade;
  • Acumulação versus distribuição;
  • Desequilíbrio nas relações entre pessoas e países para o equilíbrio versus um comércio justo e solidário;
  • Consumo desenfreado versus consumo responsável;
  • Ganância versus altruísmo.

Os princípios fundadores do blockchain como transparência e confiança tornam a tecnologia destaque para nortear essas mudanças para uma economia mais colaborativa, com a Web3, melhor distribuída por meio de incentivos “tokenizados”, mais sustentável por meio de ferramentas de rastreabilidade e mais justa com a possibilidade de melhorar drasticamente a governança e prestação de contas de múltiplos atores.

O Papa Francisco falou também sobre a importância da espiritualidade junto com a tecnologia em seu discurso. Disse que a “tecnologia pode fazer muito: ela nos ensina o ‘o quê’ e o ‘como’. Mas, não nos diz o ‘porquê’”. Além disso, complementou, “e assim nossas ações tornam-se estéreis se não trazem realização à vida, mesmo à vida econômica”.

A iniciativa “Economia de Francisco” tem como objetivo unir jovens, independentemente de crenças ou nacionalidade, para um acordo no sentido de repensar a economia existente, e de humanizar a economia de amanhã. Assim, tem o objetivo de torná-la mais justa, mais sustentável, assegurando uma nova preeminência para as populações excluídas. E para repensar uma nova economia é imprescindível humanizar também a tecnologia.

Segue abaixo o pacto realizado:

“Nós, jovens economistas, empresários, transformadores, chamados aqui a Assis de todas as partes do mundo, conscientes da responsabilidade que pesa sobre nossa geração, nos comprometemos agora, individualmente e todos juntos, a engajar as nossas vidas para que a Economia de hoje e amanhã seja:

  • uma economia de paz e não de guerra,
  • uma economia que se opõe à proliferação das armas, especialmente as mais destrutivas,
  • uma economia que cuida da criação e não a depreda,
  • uma economia a serviço da pessoa, da família e a vida, respeitando toda mulher, homem, criança, idoso e sobretudo os mais frágeis e vulneráveis,
  • uma economia onde o cuidado substitui o descarte e a indiferença,
  • uma economia que não deixa ninguém para trás, para construir uma sociedade em que as pedras descartadas pela mentalidade dominante se tornem pedras angulares,
  • uma economia que reconheça e proteja o trabalho digno e seguro para todos, especialmente para as mulheres,
  • uma economia onde a finança seja amiga e aliada da economia real e do trabalho e não contra eles,
  • uma economia que saiba como valorizar e preservar as culturas e tradições dos povos, todas as espécies vivas e os recursos naturais da Terra,
  • uma economia que combate a miséria em todas as suas formas, reduz as desigualdades e sabe dizer, junto com Jesus e Francisco, “bem-aventurados os pobres”,
  • uma economia guiada pela ética da pessoa e aberta à transcendência,
  • uma economia que cria riqueza para todos, que gera alegria e não apenas bem-estar, porque uma felicidade não compartilhada é muito pouco.

Nós acreditamos nesta economia. Não é uma utopia, porque já a estamos construindo. E alguns de nós, em manhãs particularmente luminosas, já vislumbramos o início da terra prometida.

Assis, 24 de setembro de 2022.”

Economistas, empreendedoras, empreendedores, transformadores, estudantes, trabalhadores e trabalhadoras.

*Taynaah Reis é colunista do Blocknews. É CEO e co-fundadora da Moeda, fintech baseada em blockchain e com foco em impacto social positivo em comunidades. 

Outros artigos da colunista:

Blockchain como ferramenta para aprimorar políticas ESG

Vida digital após a morte com IA

Profissões do futuro com potencial para impactar indústrias inteiras

Como o metaverso pode beneficiar o meio-ambiente

De Clementina a Áurea, NFTs de mulheres que não deixam o samba morrer

Blocos que constroem pontes: blockchain no combate às desigualdades

O valor do propósito no posicionamento de empresas e marcas no metaverso

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *