Mercado de Criptomoedas por TradingView

Criptos atraem novas gerações de mulheres e contribuem para inclusão

Novas gerações entrando no mundo cripto ajudam a acelerar o avanço visto nos últimos anos das mulheres no mercado financeiro. Aos 29 anos, a influenciadora e community manager da tokenizadora Liqi, Flavia Jabur, se interessou pelo mundo das moedas digitais e do blockchain, se aprofundou no aprendizado, se apaixonou e não teve dúvida em alterar os rumos da carreira de jornalista de TV ao ser “picada pelo mosquitinho” cripto.

Hoje, apresenta lives diárias com foco educacional, além de produzir conteúdos nas redes sociais para levar informação e clareza sobre um ecossistema que ainda é pouco claro para investidores inexperientes. A dedicação já lhe rendeu o segundo lugar na categoria Influenciadora Feminina na segunda edição do “Crypto Awards” organizado pelo site CriptoPasion.

Defensora da criptoeconomia como uma alternativa à democratização do acesso ao mundo das finanças, Flavia vê a chegada cada vez maior das mulheres no segmento e sabe que pode fazer diferença ao levar conteúdo qualificado para esse público. “Vejo mulheres me dizendo que começaram a investir em criptomoedas por conta do meu trabalho educacional e fico muito feliz ao ver cada vez mais mulheres no segmento”, diz.

Mulheres podem levar 135 anos para ter mesmos investimentos de homens em criptos

As mulheres estão começando a investir em criptoativos, mas um estudo do Global Gender Gap Report de 2021 mostra que o caminho para o equilíbrio entre gêneros é longo: a lacuna entre mulheres e homens no mercado de criptomoedas e blockchain ainda pode demorar 135,6 anos para ser preenchida.

De acordo com outro levantamento realizado pelo BlockFi em março, 24% das mulheres relataram possuir criptomoedas; 45% delas disseram saber como comprar moedas digitais, resultado bem acima dos 23% verificados seis meses antes; e 80% delas enxergam o tema como de difícil compreensão.

Mas como investir num mercado de risco e que conta com cerca de 20 mil moedas digitais em circulação? Não tem mágica aqui, explica Flavia Jabur, mas muito estudo. “Antes de escolher a criptomoeda é preciso analisar o projeto, qual a proposta daquela criptomoeda, se tem fundamento, qual a comunidade por trás da moeda, que problema ela pretende resolver. Ou seja, uma análise fundamentalista de fato é necessária antes de qualquer tomada de decisão nesse segmento”, diz.

E qual a melhor estratégia de investimentos em cripto? “Bitcoin, pra mim, é o meu perfil conservador”, brinca Flávia. Ela também gosta de Ether, a segunda criptomoeda mais valiosa do mercado, e da Polkadot (DOT Coin). E dentro de uma estratégia conhecida como Dollar-Cost Averaging (DCA), na qual o investidor divide o total a ser investido em compras periódicas do ativo escolhido para reduzir o impacto da volatilidade.

“Eu gosto muito da estratégia DCA, de compras parciais. Eu compro toda semana, independente do preço, e bitcoin e ethereum são parte da minha carteira desde o início. É uma insanidade a pessoa entrar no mercado e não ter bitcoins, a gente tem que começar pela cripto mais consolidada do mercado”, diz Flávia, que tem uma cesta variada de investimentos que incluem ações, renda fixa e outros ativos tokenizados.

Contudo, a estratégia definida por cada investidor é muito particular, observa Flavia, para quem a regra de outro que vale para todo mundo é a diversificação de ativos e uma estratégia focada mais no longo prazo. Para um iniciante em cripto, ela indica ter entre 3% e 5% em criptomoedas na carteira. “Compra um pouquinho todo mês, acompanha o mercado, vai aprendendo. E espera 3, 4, 5 anos.”

E como não cair em golpes com criptomoedas? Através de muito cuidado e pesquisa, explica Flavia Jabur. “A internet é uma grande ferramenta para isso. Fazer pesquisa sobre a oferta e quem está por trás dela, não acreditar em promessas de rendimentos porque isso não existe, é um mundo de renda variável. É importante manter sempre os pés no chão, sem achar que você vai ficar rico amanhã. Muita calma e aprendizado, assim como deixar a ganância de lado, é o melhor caminho.”

Olhando sob a perspectiva futura, a influenciadora cripto vê o mercado em contínua expansão e seleção natural. “É um mercado que vai seguir crescendo como um grande laboratório onde várias ideias estão sendo testadas, projetos vão dar muito certo e outros vão simplesmente sumir. A gente ainda vai ver muita coisa nova por aí.”

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.