Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

Governos testam de moedas digitais a registro de bebês

As discussões sobre como tornar os governos mais eficientes são comuns em todo canto do mundo. Agora, a blockchain também faz parte dessas conversas. Em diversos países está se buscando confirmar se, e como, a tecnologia pode ser usada para resolver entregas soluções como maior otimização de processos, redução de custos e melhoria da segurança cibernética. Há diversos projetos em curso em áreas tão diversas quanto a de saúde, registro de propriedades, moedas digitais, identidade digital e cobrança de impostos.

No Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) há iniciativas com blockchain. O Banco Central anunciou que pretende aprimorar o sistema de pagamentos usando a tecnologia. Já se falou em outras iniciativas, incluindo a de combate à sonegação de impostos e criação da identidade digital.

A Consensys, desenvolvedora de aplicações em blockchain para empresas, listou projetos em 43 países, além da União Europeia. Vão de um teste feito em Illinois para registro de nascimento de bebês, a um projeto de identidade digital na Argentina e o sandbox do banco central da Lituânia para desenvolvimento de produtos e serviços usando blockchain.

A lista de iniciativas desses países pode ser encontrada em http://bit.ly/36tkhF5

Congresso global discutirá o uso da tecnologia blockchain

Começou hoje (11), e vai até a próxima quarta-feira (13) o Convergence – The Global Blockchain Congress, em Málaga (Espanha). O evento vai reunir representantes da comunidade blockchain do mundo todo, incluindo reguladores, decisores de políticas , fornecedores de tecnologia, usuários, ONGs e pesquisadores. Serão cerca de 1,3 mil participantes no que os organizadores esperam que se torne o maior evento global do segmento.

Regulação, padronização, moedas digitais de bancos centrais e uso de criptoativos em projetos sociais são alguns dos temas que serão discutidos.

O Congresso é patrocinado pela Comunidade Européia, que tem um órgão inteiramente dedicado ao assunto – o EU Blockchain Observatory and Forum -, pela Inatba (International Association for Trusted Blockchain Association) e Alastria, instituição espanhola que reúne a comunidade blockchain da Espanha.

Nesta segunda-feira, haverá um desafio entre equipes que terão de apresentar uma solução em blockchain. Cada equipe fará uma solução para um dos 17 Objetivos do Desenvolvimento da ONU. Elas terão 10 horas para isso. Serão equipes multidisciplinares.

Na quarta-feira, um dos painéis discutirá a digitalização e interoperabilidade nos países da América Latina. A diretora de conteúdo da Blocknews, Claudia Mancini, será a mediadora do debate.

BC vai adotar blockchain em pagamentos instantâneos

O Banco Central (BC) se prepara para facilitar a vida dos cidadãos, com o uso de blockchain para pagamento instantâneos. A ideia é que o sistema esteja em operação no final de 2020, segundo reportagem de O Estado de S. Paulo.

Esse novo sistema de pagamentos deverá substituir as TEDs e os DOCs e funcionará 24×7.

Já há bancos utilizando a tecnologia blockchain para transferências internacionais de dinheiro, como o Santander, e um grupo de bancos está conectado trocando informações sobre movimentações de contas suspeitas feitas por celular. Esse último é uma iniciativa da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) e da Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP).

Além dos pagamentos instantâneos, o BC estuda outras iniciativas que vão dar maior agilidade e transparência ao sistema bancário brasileiro, como o open banking.

China lançará criptomoeda

A China anunciou que lançará sua própria criptomoeda, que vai substituir dinheiro em circulação (M0). Tudo bem que pagar um café com dinheiro na China pode ser difícil, mas convenhamos que este é um passo importante. Fora que é uma briga com a Libra, do consórcio do Facebook. Velha disputa Oriente x Ocidente?