Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

EUA, maior mercado mobiliário do mundo, tentam entender uso de blockchain no setor

Nenhum país lidera hoje a tecnologia blockchain para títulos mobiliários digitais. O maior mercado de capitais em dólar e volume é o dos Estados Unidos (EUA) e o país ainda está tentando entender como fazer a emissão de títulos respeitando o compliance e negociar os títulos de forma digital com segurança, diz Brian Collins, CEO da Horizon Globex, startup norte-americana focada em soluções em blockchain para o setor mobiliário.

A Horizon Globex deu o suporte para o lançamento privado das primeiras debêntures em blockchain no Brasil. A emissão de R$ 66 milhões foi feita pela gestora carioca Piemonte, em dezembro passado.

Os reguladores de mercados mobiliários não querem barrar a inovação no setor, mas têm o dever de proteger os cidadãos de golpes, afirma o executivo.

A maioria das negociações de valores mobiliários já é digital, agora, a tecnologia nos mercados financeiros deve avançar na transparência e em fechamentos de contratos de forma instantânea, completou

Segundo ele, tanto a SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA, quanto a Finra, a autoridade regulatória do setor financeiros norte-americano, têm avançado nessa direção, mas a CVM também. “O Brasil não está atrás de nenhum outro mercado. É uma questão de alinhamento regulatório associado à educação do investidor.

0 Comentários

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>