Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

Startup brasileira Fohat inicia projeto em energia no Chile

A startup paranaense Fohat, que trabalha com soluções tecnológicas para o setor de energia, está iniciando neste mês mais um projeto internacional com blockchain. Além de já atuar num projeto na Austrália, agora a empresa está desenvolvendo um sistema para a operação chilena da Acciona, operadora espanhola de energia renovável.

A empresa de inovação foi uma das 8 escolhidas num desafio lançado pela Acciona para que fossem apresentadas soluções que resolvessem diferentes problemas. A solução evita apagões, disse ao Blocknews Renan Schepanski, co-fundador e diretor de Vendas e Marketing da Fohat, que foi fundada em 2017.

No Chile, a empresa vai desenvolver um sistema de controle de microgrid para atendimento do programa de resposta de demanda. Isso significa implantar uma microrede (microgrid) de fontes de energia distribuída que pode operar de forma independente da grade de energia principal. Se a rede principal estiver muito carregada, com oscilações, o operador pode desconectar uma ou mais fábricas, por exemplo, que passam a operar de forma independente com seus microgrids até a rede voltar a se estabilizar.

“É melhor pagar pela desconexão temporária de uma indústria da rede do que ter um apagão, que custa mais caro”, completou Schepanski.

Neste caso, blockchain será usada para a assinatura e gerenciamento dos contratos do chamado programa de resposta de demanda. E isso está inserido em um market place para compra e venda de energia.

A Fohat usa em seus projetos a plataforma blockchain da Energy Web Foundation (EWF).  A solução está associada a outras tecnologias, como blockchain, big data, machine learning e Jade. Com isso, o operador consegue controlar todo o sistema e acionar o desligamento e retorno de um cliente à rede principal de forma mais eficiente e rápida.

A expectativa é de que o piloto comece a rodar em seis meses. A Acciona está definindo qual indústria será parte dele. O valor do projeto ainda não foi revelado.

Austrália e Brasil

A Fohat tem mais dois projetos em andamento e quatro em fase de aprovação. Dos projetos em andamento, um é o da prefeitura de Melbourne, na Austrália. A empresa de inovação foi uma das duas escolhidas numa competição com 650 candidatos.

A startup está participando da modernização do Queen Victoria Market. Sua solução permite geração e armazenamento de energia elétrica para tornar o mercado autossuficiente. Na prática, painéis solares produzem energia durante o dia, o excedente pode ser vendido pelo próprio mercado, já que a comercialização de energia na Austrália é livre (peer to peer). À noite, o Queen Victoria Market compra o que precisa na rede.

Esse sistema gera uma economia de 40% de consumo de energia da rede. O impacto na conta depende do preço da energia comprada, já que é variável conforme dia e horário. “O plano é o mercado gerar 50% do que precisa e comprar os 50% restantes. Isso é autossuficiência, que é muito mais barata do que o mercado ser autônomo”, diz Schepanski.

Nesse caso, blockchain é usado nos contratos de compra e venda de energia. O valor do projeto não pode ser revelado, segundo o executivo. A Fohat já entregou a análise de viabilidade técnica e econômica do projeto de microgrid. A expectativa é de que em dois anos a parte da startup esteja concluída.

Outro projeto em andamento é com a AES Tietê, empresa de energia renovável de São Paulo e está focado na criação do primeiro balcão organizado de comercialização de energia. Nesse caso, blockchain vai garantir a confiabilidade dos dados e a segurança dos contratos e das operações do balcão. O projeto é de R$ 3,4 milhões, segundo a AES Tietê, e terá financiamento do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

1 Comentários

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>