Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

Setor de seguros flerta com blockchain

A Superintendência de Seguros Privados (Susep) está fomentando um time interno de pesquisadores sobre o uso de blockchain, para tomar decisões regulatórias e estudar a aplicação da tecnologia pela própria autarquia. Por enquanto, a decisão é deixar o mercado se desenvolver e encontrar suas soluções. “Uma regulação agora pode sufocar o setor”, afirmou Leonardo José de Carvalho, Chefe do Departamento de TI e Comunicação da Susep, durante o 13º Insurance Service Meeting, promovido pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), nesta quarta-feira (6), em São Paulo. 

Blockchain é uma tecnologia que permite gravar, compartilhar e rastrear informações, como transações financeiras, contratos, dados logísticos e origem de produtos, numa rede distribuída. Surgiu com a criptomoeda Bitcoin, mas as empresas perceberam seu valor e decidiram experimentar.

Entre as suas principais características estão o compartilhamento entre todos os participantes da rede ao mesmo tempo, o fato de os dados registrados serem imutáveis, evitando fraudes, e transparência. Por isso, pode ajudar a indústria de seguros a se tornar mais ágil e mais confiável, o que não é pouca coisa para quem enfrenta a concorrência de insurtechs e de atores de fora do mercado.

O contato com essa inovação ainda engatinha no Brasil. O setor de seguros está aquém do financeiro, que viu e ainda vê na blockchain uma ameaça, mas estudou onde poderia usá-la e está fazendo isso em diversas iniciativas. Porém, a questão não é simplesmente usar blockchain. “Não se pode buscar um problema para uma tecnologia”, disse Denise Ciavatta, diretora de TI da HDI Seguros. O importante é entender qual é a dor do cliente e a melhor tecnologia para acabar com essa dor. Blockchain serve para muita coisa, mas não para tudo.

Faltam profissionais

“A recomendação de quem já usa blockchain é começar com um projeto pequeno, explorar um processo para ser ver se ele encaixa no que a empresa precisa”, disse Lucas Aristides Mello, diretor de Inovação & Estratégia do IRB Brasil RE. É assim mesmo que a tecnologia está sendo usada pela maioria das empresas. Idealmente, essa tentativa deve desembocar uma grande rede de players.

Para inovar, a Susep reconhece que terá de enfrentar desafios como integrar uma nova tecnologia com o seu legado, conseguir a coexistência com soluções existentes e, no caso de blockchain, ter pessoal que entenda do assunto. Adotar a apólice eletrônica em blockchain, por exemplo, gera questões de governança.

A autarquia está repensando a arquitetura do Formulário de Informações Periódicas (FIP), que é cara e pesada, e entende que é preciso simplificar a comunicação com o mercado e as regulações, afirmou Carvalho. A Susep está conversando com a R3, consórcio global que desenvolve a plataforma open source Corda. Sendo um membro, poderá acessar as experiências que deram certo e às que deram errado.

IRB Brasil no B3i

O IRB Brasil Re se associou ao B3i, consórcio global de seguradoras que desenvolvem soluções em blockchain. Foi a primeira empresa da América Latina a se juntar ao grupo. Em janeiro de 2020, deve ser lançado o primeiro produto do consórcio, um resseguro de Excesso de Danos Catastróficos (Catastrophe Excess of Loss), que é um seguro complicado, envolvendo muitas empresas para se fechar um contrato, disse Mello.

A tecnologia de registro distribuída (DLT), como blockchain, permite que todos estejam conectados ao mesmo tempo, reduzindo, por exemplo, drasticamente o número de mensagens trocadas. Esse novo resseguro é global, mas no Brasil não tem mercado, porque se trata de questões como terremotos e tsunamis.

Para Mello, as empresas precisam levar em conta que o conceito de transação como conhecemos hoje vai desaparecer e os princípios de blockchain se encaixam nas dores dos clientes das seguradoras. Sua recomendação: a experiência do cliente de seguros não é boa por questões como custo e dificuldades na hora da contratação, por isso, as seguradoras devem fazer como empresas do GAFAM (Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft), ou seja, ter o cliente como foco. “Fechei um seguro e me perguntaram se meu portão era manual ou elétrico. Isso em pleno 2019”, completou.

Congresso global discutirá o uso da tecnologia blockchain

Começou hoje (11), e vai até a próxima quarta-feira (13) o Convergence – The Global Blockchain Congress, em Málaga (Espanha). O evento vai reunir representantes da comunidade blockchain do mundo todo, incluindo reguladores, decisores de políticas , fornecedores de tecnologia, usuários, ONGs e pesquisadores. Serão cerca de 1,3 mil participantes no que os organizadores esperam que se torne o maior evento global do segmento.

Regulação, padronização, moedas digitais de bancos centrais e uso de criptoativos em projetos sociais são alguns dos temas que serão discutidos.

O Congresso é patrocinado pela Comunidade Européia, que tem um órgão inteiramente dedicado ao assunto – o EU Blockchain Observatory and Forum -, pela Inatba (International Association for Trusted Blockchain Association) e Alastria, instituição espanhola que reúne a comunidade blockchain da Espanha.

Nesta segunda-feira, haverá um desafio entre equipes que terão de apresentar uma solução em blockchain. Cada equipe fará uma solução para um dos 17 Objetivos do Desenvolvimento da ONU. Elas terão 10 horas para isso. Serão equipes multidisciplinares.

Na quarta-feira, um dos painéis discutirá a digitalização e interoperabilidade nos países da América Latina. A diretora de conteúdo da Blocknews, Claudia Mancini, será a mediadora do debate.