Mercado de Criptomoedas por TradingView

Suécia vai incluir bancos em nova fase de testes de sua moeda digital

Banco central da Suécia diz que moeda digital precisa de testes no varejo. Foto: David Mark, Pixabay.
Banco central da Suécia vai incluir empresas no teste de sua moeda digital, CBDC; pesquisa entrou na segunda fase com situações mais realistas

O Riksbank, banco central da Suécia, vai incluir empresas e instituições financeiras na segunda fase de testes da e-krona, sua moeda digital (CBDC). Essa fase vai durar um ano, até março de 2022. Na primeira fase houve simulações dentro da instituição.

De acordo com relatório do Riskbank, a primeira fase apontou novas possibilidades com a moeda. Mas também indicou que alguns aspectos precisam de mais estudo. O banco central está usando tecnologia de registro distribuído da R3 e tem assessoria da Accenture.

É preciso estudar, por exemplo, as vantagens potenciais da e-krona como sistema de pagamento paralelo para maior robustez do sistema. Assim como deve-se estudar as possibilidades alternativas para pagamentos offline (sem internet, mas com eletricidade) por custodiantes locais.

Segundo o relatório, para uso da e-krona no varejo, a CBDC precisa ser compatível com os terminais que processam outros pagamentos digitais. Essa integração também será parte dos testes da fase dois.

“DLT e tokens são uma nova tecnologia, nunca passou por teste e é preciso mais pesquisas para verificar se seu uso é compatível com pagamentos no varejo em escala e se atende os requisitos de uma CBDC”, afirmou o banco.

Moeda digital no varejo

Um dos questionamentos sobre CBDCs é se podem afetar a estabilidade do setor financeiro. O banco central sueco testou a possibilidade de controlar a oferta e demanda através do equilíbrio de limite das carteiras e juros na e-krona. E funcionou, com taxa de juros negativa ou positiva. Se for postiva, o juros seriam pagos em novos tokens.

Para o Riksbank, a questão de rastreamento é um dos pontos sensíveis. Isso porque saber onde a moeda vai parar afeta, por exemplo, demandas de segredo bancário. Ao mesmo tempo, a rastreabilidade é necessária para garantir autenticidade de meios de pagamento.

Há desafios também no que se refere a pagamentos no varejo em larga escala. Isso porque cada transação na solução testada precisa de validação da emissão pelo Riksbank.

Além disso, o nó notário controla se já houve uso dos tokens. Na transação, criam-se novos tokens. “Todo esse processo requer um alto nível de desempenho.”

“A solução testada na fase piloto da e-krona atendeu os requisitos de desempenho feito numa compra pública. Mas isso aconteceu num ambiente de tese limitado”.


Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.