Mercado de Criptomoedas por TradingView

Mercado Bitcoin inclui blockchain Stellar em consórcio de teste do real digital

O Mercado Bitcoin fez uma parceria com a Stellar Development Foundation (SDF), que desenvolve a rede open source blockchain Stellar, para seu projeto no programa de testes de casos de uso do real digital do Banco Central (BC). Assim, a Stellar fará parte de um grupo que inclui também o CPqD e a ClearSale, que tem soluções anti-fraude para e-commerce. O grupo apresentou um projeto para testar um sistema de Delivery versus Payment (DvP) de criptoativos.

A Stellar é uma rede que se diz com foco em produtos e serviços financeiros. Além disso, já participa de outros projetos de moedas digitais de banco central (CBDCs), de moedas estáveis (stablecoins) e de tokenização de ativos financeiros. A rede diz que consegue fazer a liquidação de transações em cerca de cinco segundos, faz em torno de 200 operações por segundo e o custo é baixo. Além disso, seu custo é de menos de 1/10 de US$ 0,01 por transação. A rede também permite verificações para combate a lavagem de dinheiro. E segundo a fundação, operações com vários ativos ou emissões de stablecoins, por exemplo, são funções nativas. Assim, fáceis de serem implantadas na rede.

O programa de testes é o LIFT Challenge Real Digital, uma colaboração entre o BC e a federação nacional dos servidores do banco, a Fenasbac. Ao todo, nove casos estão nesse LIFT. E os projetos incluem diversas empresas do ecossistema blockchain, de fornecedores de infraestrutura e bancos tradicionais com ações nessa área. Isso é resultado do interesse do Banco Central de conectar o real digital a finanças descentralizadas (DeFi). O presidente da instituição, Roberto Campos Neto, já disse que gostaria que o real digital corresse em blockchain, mas que nada está garantido. Assim, os testes ajudarão a definir diversos pontos, inclusive a infraestrutura.

Stellar foi feita para emissão de ativos, diz fundação

A previsão era a de que os pilotos começassem no segundo semestre de 2022 de forma restrita, embora a greve do servidores do BC possa atrasar o cronograma, como também já disse Campos Neto. Uma segunda paralisação começou no último dia 3 de maio.

De acordo com Reinaldo Rabelo, CEO do Mercado Bitcoin, a “rede Stellar vai nos permitir entregar um caso completo para avaliação pelo Banco Central”. Segundo Denelle Dixon, CEO da Stellar Development Foundation, a rede foi feita para emissão de ativos. Inicialmente, aparecia no consórcio também a Bitrust, empresa de custódia digital da 2TM, holding de várias empresas, inclusivo do Mercado Bitcoin.

O CPQD vai fornecer aos testes a A CPQD iD, uma identidade digital em blockchain e que funciona como um serviço para criação, verificação, assinatura digital e customização de identidade digital descentralizada. Isso para pessoas, organizações, ativos e coisas, disse Fernando Marino, responsável técnico por produtos Blockchain do CPQD. “O objetivo é proporcionar uma identidade reutilizável, segura, sem senhas e aderente à Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)”.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.