BIS, Banco Mundial, FMI, Hong Kong e Suíça planejam avançar em tokenização e CBDC em 2024

Imagem: Pete Linforth.

O Banco Interamericano de Compensações (BIS) – o “banco central dos BCs” – anunciou que dois projetos ligados a blockchain no sistema financeiro estão entre as suas prioridades deste ano. Um deles, o Projeto Promissa, de tokenização de notas promissórias que servem como recursos para as instituições financeiras multilaterais. O outro tem relação com privacidade em operações com moedas digitais de BCs, algo que o Brasil também testando na fase atual do real digital.

Todos esses projetos com blockchain têm relação com a demanda do G20, grupo de países que o Brasil está presidindo neste ano, de tornar os bancos multilaterais de desenvolvimento melhores e mais eficazes, disse Cecilia Skingsley, líder do BIS Innovation Hub. Assim, poderão financiar mais projetos nos países.

De acordo com o BIS, o Promissa envolve o Banco Mundial e o Banco Nacional da Suíça. Além disso, o Fundo Monetário Internacional (FMI). O projeto prevê uma Prova de Conceito (PoC) de uma plataforma de notas promissórias tokenizadas, que já que em muitos casos, ainda são em papel (Imagem abaixo). É alto o número de notas promissórias e os valores que circulam por meio delas.

Essas notas são recursos que os países membros das organizações multilaterais usam para fazerem pagamentos de subscrição e contribuição a essas instituições. Com blockchain, a ideia é ter uma única “fonte de verdade” para todos os países durante todo o ciclo de vida das notas. Um ponto crucial do projeto é o controle das chamadas notas promissórias pendentes, etapa que passaria a ser digitalizada para ser mais eficiente.

“O governo de um país membro e seu banco central, atuando como custodiante designado, terá uma visão abrangente de todas as notas pendentes com diferentes instituições financeiras internacionais. E, vice-versa, instituições financeiras internacionais, como os bancos de desenvolvimento multilaterais, terão visibilidade uniforme das notas pendentes mantidas por diferentes bancos centrais”, afirmou o BIS. Os testes e a PoC devem terminar até o início de 2015.

Se projeto der certo, poderia ser estendido para incluir pagamentos e resgates associados às notas pela integração de sistemas de pagamento tokenizados baseados em dinheiro privado ou público.

Um outro projeto envolvendo blockchain é o Aurum, do BIS com Hong Kong, que está entrando na fase de teste de privacidade em pagamentos no varejo com CBDCs.  O objetivo é aprender com conhecimentos da academia e reguladores de privacidade “para avançar no entendimento da privacidade do design de sistemas de CBDC”, disse Cecilia.

O Aurum é um projeto de CBDC de varejo com um sistema interbancário de atacado e um sistema de carteira digital de varejo. Assim, envolve tokens de CBDC de intermediação que são uma garantia direta do Banco Central. Além disso, inclui e stablecoins lastreadas pela CBDC no sistema interbancário, garantizadas pelos bancos emissores, com seus ativos de lastro mantidos pelo BC.

O BIS Innovation Hub anunciou outros quatro projetos como prioridade neste ano.

O governo digital é uma das prioridades o Brasil escolheu para seu período na presidência do grupo do grupo das 20 maiores economias do mundo. Por isso, abriu processo para contratação de consultores digitais para acessar o governo no G20.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *