Swift testa interoperabilidade entre blockchains com Chainlink

A Swift, uma cooperativa de instituições financeiras que faz mensageria de transações internacionais, afirmou que realizou testes com a transferência de ativos tokenizados entre blockchains públicas e privadas. E que os testes envolveram a Chainlink, empresas de infraestrutura e instituições financeiras de grande porte. Portanto, testou interoperabilidade entre redes.

Com o surgimento de blockchain, a necessidade do serviço da Swift foi colocado em cheque e fez a empresa testar alternativas envolvendo moedas digitais de bancos centrais (CBDCs) e ativos tokenizados. Aliás, empresas como a Ripple surgiram com a missão de oferecer serviços melhores e mais baratos. Isso porque a Swift envia mensagens aos bancos sobre um valor que foi enviado, quem mandou, para quem deve ser dado, dia, hora etc. Com essa mensagem a operação finalmente acontece.

“Os testes mostram que os padrões de conectividade e de mensageria da Swift, junto com uma um protocolo de interoperabilidade como o da Chainlink CCIP, pode ser usado para a interoperabilidade entre sistemas financeiros tradicionais e redes blockchain”, disse a empresa num comunicado. A Chainlink foi a camada de abstração para a conexão entre a rede da Swift e a rede Ethereum Sepolia. O Protocolo de Interoperabilidade Cross-Chain da Chainlink permitiu a ponte entre as blockchains de origem e destino.

De acordo com a Swift, o teste mostrou ser possível “remover fricções significativas que barram o crescimento dos mercados de ativos digitais e permitem uma escala global”. A interoperabilidade entre redes é crucial porque, do contrário, as instituições financeiras precisarão construir conexões entre cada plataforma, criando desafios operacionais e custo, diz a empresa.

  • Principais conclusões técnicas do teste:
  • Mecanismos de manuseio do token podem variar conforme o caso.
  • Gerenciamento de nonce (token gerado aleatoriamente) é crítico para evitar ataques de repetição.
  • Camada abstração (abstraction layer) é necessária para gerenciar a complexidade de blockchains.

Conclusões de negócios:

  • O papel de “Depositário Designado” é importante para satistazer as obrigações regulatórias.
  • A maior necessidade do mercado continua sendo a clareza regulatória.
  • Privacidade de dados é fundamental para qualquer solução comercial.
  • Responsabilidade e recurso devem ser tratados claramente para as transferências entre blockchains.
  • Falta maturidade nas transferências entre blockchains, mas a expectativa é de que o desenvolvimento delas cresça.

A Swift afirmou que continuará a testar diferentes tipos de blockchain, incluindo as públicas e as privadas. Além disso, vai continuar testando Pagamentos contra Entrega (DvP) onchain e offchain e privacidade de dados transacionais.

As instituições que participaram do teste foram Australia and New Zealand Banking Group Limited, BNP Paribas, BNY Mellon, Citi, Clearstream, Euroclear, Lloyds Banking Group, SIX Digital Exchange (SDX) e The Depository Trust & Clearing Corporation, além da Chainlink. 

O estudo completo está em

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *