Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

Nasdaq só quer listar empresas com ao menos uma mulher e uma pessoa de minoria na diretoria

Menos de 25% das empresas da bolsa atendem ao requisito. Foto: Gerd Altmann, Pixabay.

Fica a dica: a Nasdaq, segundo maior mercado de ações do mundo e casa de negócios de tecnologia, quer listar apenas empresas que tenham na diretoria ao menos uma mulher e uma pessoa de minoria racial ou LGBTQ. O pedido foi feito nesta terça-feira (1) à Securities and Exchanges Commission (SEC), a CVM dos Estados Unidos.

Esse é um alerta para quem pretende um dia ser listado na Nasdaq. Mas não apenas isso. É um alerta para quem precisa ou vai precisar de dinheiro de investidores. O mundo dos investimentos está tentando promover e valorizar empresas que têm políticas de diversidade.

Na Califórnia, isso é bem mais comum. Não apenas em empresas como Google e Facebook, mas até mesmo em negócios do setor financeiro.

Quem não cumprir, está fora

Segundo o The Wall Street Journal, a Nasdaq fez uma pesquisa e descobriu que menos de 25% das cerca de 2,8 mil empresas listadas atendem a esse requisito. Em torno de 85% tem uma mulher na diretoria, mas não tem a outra diversidade que será exigida se a SEC aprovar o pedido.

E quem não cumprir a norma? Terá de ter uma boa explicação a dar para a Nasdaq, do contrário, será excluída da bolsa.

Como a Nasdaq é referência global em bolsa, se adotar essa medida, o efeito pode ser também em outros países. Isso porque muitas das empresas que lista têm negócios em outros países, inclusive algumas são brasileiras, como XP e Stone.

0 Comentários

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>