Mercado de Criptomoedas por TradingView

BEE4, de tokens de ações, é primeira investida da CIP, empresa de tecnologia

A BEE4, plataforma de negociações de tokens de ações que chega ao mercado em cerca de 20 dias, é a primeira investida da CIP, empresa de infraestrutura de dados que tem 34 bancos como sócios. “Para os bancos, o desenvolvimento do mercado financeiro e de capitais é sempre uma vantagem. Com um mercado de acesso ascendente há mais oportunidades de investimentos para seus clientes, com melhores oportunidades de diversificação, tudo isso com o selo do regulador”, disse ao Blocknews Raphael Mielle, gerente de inovação da CIP. A atuação da empresa inclui a estruturação de liquidação das operações.

Até março passado, a CIP era uma associação sem fins lucrativos para prover infraestrutura bancária e de pagamentos para os bancos. Foi assim por 20 anos, desde sua fundação para integrar o Sistema de Pagamentos Brasileiro (SBP). Mas, passou por uma desmutualização, ou seja, virou empresa e os bancos membros se tornaram sócios. Assim, por ser uma empresa, precisa buscar receita e lucro, inclusive em áreas de outros setores fora do financeiro. A BEE4, projeto no sandbox da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), faz parte dessa nova estratégia de negócio.

Com a BEE4, a CIP “está iniciando a avenida de investimentos da companhia no cenário desmutualizada. Alinhada com a nossa estratégia de crescimento, foi assinada e subscrita, em março de 2022, as debêntures conversíveis em ações emitidas pela BEE4”, afirmou Mielle CIP. Dessa forma, isso assegurou o acesso às ações “e marcou a entrada da CIP tanto na ótica de venture builder, como no mercado de capitais regulado pela CVM”, completou o executivo.

CIP vai estrutura liquidação na BEE4

A CIP vai atuar na estruturação da BEE4, “investindo não só no aspecto financeiro, mas também com o know-how da empresa”, explicou Mielle. Além disso, sendo uma infraestrutura de mercado para o sistema de pagamentos, “desenvolverá em conjunto com a BEE4 um sistema de liquidação robusto, trazendo toda a credibilidade e expertise que a CIP construiu nesses 20 anos”.

De acordo com o gerente de inovação, “a BEE4 apresenta uma gama de oportunidades, trazendo valor para a empresa com a alternativa ao mercado tradicional de empréstimos”. Assim, preenche uma lacuna entre o universo das startups e o mercado maduro da bolsa, e para os investidores, há uma nova classe de ativos para ajudar na diversificação da carteira, diz a CIP. Com isso, permite a qualquer investidor ter ações de empresas com grande potencial de crescimento. A CIP compara o projeto da BEE4 ao da iniciativa de tokenização de ativos da bolsa da Suíça, a SIX, por exemplo.

Parceria com B3, CERC e CRDC

O envolvimento da CIP com blockchain não é nova. Há dois anos, a empresa a bolsa B3, a CERC (Central de Recebíveis) e a CRDC (Central de Registros de Direitos Creditórios), todas registradoras de ativos, anunciaram o início dos testes com blockchain para verificação de que uma duplicata seja registrada apenas uma vez.

“Acreditamos que a tecnologia sempre será um meio de facilitar processos, trazendo mais segurança, mitigando riscos e diminuindo a fricção de comunicação existente. Nesse cenário, estudos e desenhos de provas de conceito estão sendo elaborados para identificar como utilizar a tecnologia da melhor forma, visando a agregação de valor responsável para o mercado financeiro”, afirmou Mielle.

A CIP possui um planejamento estratégico, alinhado com os bancos, com a pauta de desenvolvimentos do mercado financeiro em diversos âmbitos. Dentre eles, o mercado de capitais e a utilização de tecnologia é uma das pautas identificadas como potencial para trabalharmos.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.