Brasileira Investtools desenvolverá marketplace e token para projeto de educação da Unicef

A  Investtools, startup carioca de softwares, desenvolverá um marketplace de blockchain, incluindo um token, num projeto da Organização das Nações Unidas (ONU) que busca conectar todas as escolas à internet até 2023. O projeto inclui um marketplace em blockchain e um token, o Giga Token. O Giga é uma iniciativa entre a Unicef e a International Telecommunication Union (UTI).

A startup afirma que vai desenvolver o marketplace em colaboração com o Giga e a Unicef Venture Fund e é a única brasileira escolhida no projeto, junto com outras três startups. Nele, as partes interessadas do governo podem oferecer incentivos não monetários, como, por exemplo, incentivos fiscais, e os provedores de Internet (ISPs) podem assinar contratos para fornecer conectividade às escolas em troca de tokens.

A alocação de tokens para cada escola se baseia numa “pontuação de conectividade” calculada pelo Giga. Os ISPs podem resgatar seus tokens depois para incentivos não monetários fornecidos ao marketplace. Assim, a expectativa é de que o marketplace incentive os provedores de internet a melhorarem a conectividade de escolas menos privilegiadas.

A prova de conceito (PoC) é conectar ao menos uma escola como resultado do marketplace. De acordo com comunicado, “em muitos países, escolas mais remotas e de mais difícil acesso continuam sem acesso à internet. Em muitos casos, conectar essas escolas à internet não é lucrativo para os ISPs, pois a necessidade de construir uma nova infraestrutura não pode ser monetizada por meio de consumidores pagantes”.

Assim, fazer negócios para conectividade em tais configurações é limitado. Por isso, o projeto vai explorar o desenvolvimento de um sistema baseado em incentivos. Mas, isso vai funcionar em paralelo à aquisição tradicional.

“Além de restringir as aplicações, a conexão ao blockchain garante a preservação dos dados na rede, de forma que eles não possam ser apagados e possam ser consultados publicamente, permitindo acompanhar as movimentações financeiras e ao mesmo tempo tornar o processo inteiramente auditável”, afirma David Gibbin, CEO da Investools.

Em 2021, a startup carioca desenvolveu uma solução baseada na emissão de tokens vinculados à moeda brasileira. Com isso, a partir do momento em que um determinado órgão público fizesse uma transferência financeira, seus valores estariam registrados em um sistema blockchain descentralizado. Com ele, seria possível acompanhar todas as movimentações de recursos: os destinos, as origens e os valores.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *