O que são Digital Assets? Tipos, vantagens e riscos

Pessoa vendo seus digital assets

Os ativos digitais, ou Digital Assets, vêm se tornando um dos temas mais importantes atualmente, e hoje você vai aprender mais sobre isso.

Esse termo é usado para se referir a itens que você pode realizar uma série de ações no mundo online, como:

  • Comprar;
  • Vender;
  • Armazenar;
  • Transferir.

Mas não pode fazê-los fisicamente, ou seja, é tudo aquilo que existe em formato digital e tem ou pode gerar valor a quem o possui.

Na década de 1990, o conceito de digital assets era usado para se referir a arquivos como imagens, vídeos, áudios e documentos criados e compartilhados no meio digital.

Nos dias atuais, principalmente graças à expansão da aplicação da tecnologia Blockchain aos ativos digitais, esse conceito já engloba uma gama muito mais ampla de itens, bens e serviços, como as criptomoedas e tones lastreados até ativos financeiros reais.

Indo mais além, os ativos tokenizados têm possibilitado o acesso de forma barata e simples a investimentos de alta performance.

Dessa forma o que antes estava somente ao alcance de grandes investidores, como uma fábrica de isolante térmico, e instituições financeiras, hoje pode ser usufruído por um maior número de pessoas.

Neste artigo você vai aprender mais sobre os tipos de digital assets, qual a sua importância para os novos modelos de investimento e quais são suas vantagens e riscos.

O que são digital assets?

Compreende-se aqui o formato digital do patrimônio de pessoas e empresas, podendo ser comprados, vendidos, transferidos e armazenados online, mas não podem ser vistos ou tocados fisicamente, sendo também chamados de ativos intangíveis.

Ainda que existam apenas digitalmente, os digital assets conferem às pessoas o direito de uso ou de propriedade sobre bens e serviços, tanto no mundo digital quanto no físico, o que vai depender do objetivo e finalidade para o qual foi criado.

É exatamente a possibilidade de reivindicação de propriedade sobre o que o digital asset representa por sua empresa de assessoria financeira online que garante a capacidade de gerar valor para seu detentor, fazendo com que o item digital seja um ativo.

A expansão dos ativos digitais

Em 2009, com o lançamento do Bitcoin, abriu-se as portas para que número crescente de ativos digitais fossem criados, dos mais variados tipos, possibilitando novas oportunidades de investimento, como criptomoedas e tokens.

Nos dias de hoje, praticamente tudo pode passar pela tokenização, ou seja, ser transformado em um token e funcionar como um ativo digital. Entre os bens e serviços que os digital assets podem representar estão:

  • Ações de empresas;
  • Dividendos;
  • Imóveis;
  • Obras de arte;
  • Royalties musicais;
  • Itens de jogos online;
  • Terrenos em realidade virtual;
  • Benefícios exclusivos para fãs.

Assim como sabe uma fabricante de manômetro, essa amplitude se deve à expansão da aplicação da blockchain, a mesma infraestrutura por trás do Bitcoin e outras criptomoedas.

Podemos dizer que a blockchain funciona como um livro-razão distribuído e mantido por uma rede de computadores que permitem a validação eletrônica de transações e um registro seguro e transparente de ativos digitais.

Com essa tecnologia é possível negociar valores mobiliários, commodities, ativos financeiros e não financeiros.

Todos transformados em ativos digitais criptografados, podendo ser transacionado com segurança e negociados com qualquer pessoa do mundo. Conheça a seguir os principais tipos de digital assets.

Tipos de digital assets

Um dos principais exemplos de digital assets são as criptomoedas, não sendo incomum ver termo “ativos digitais” para caracterizá-las.

Entretanto, os ativos digitais não se resumem apenas às criptomoedas. O que ocorre na verdade são várias categorias de criptoativos, que foram surgindo à medida que passaram a ser mais adotados. Veja os principais tipos a seguir com alguns exemplos.

Criptomoedas

Trata-se de moedas digitais que têm o objetivo de funcionar como reserva de valor e meio de pagamento em uma empresa de içamentos.

Contam com sua própria rede blockchain e são protegidas por criptografia, sendo diferentes de moedas centralizadas, não dependendo de uma única entidade para seu funcionamento.

Exatamente pelo contrário, a validação das transações é feita de forma descentralizada com base em um mecanismo de consenso. Atualmente, algumas das principais criptomoedas são o Bitcoin (BTC), o Ethereum (ETH) e o Litecoin (LTC).

Tokens mobiliários (security tokens)

Nesse caso estamos falando da representação do direito de propriedade sobre algum valor mobiliário, como:

  • Ações de empresas;
  • Derivativos;
  • Títulos de dívida;
  • Fundos de investimento.

Os security tokens são desenvolvidos com o intuito de funcionar como instrumentos financeiros. Nesse ponto vale destacar que tokens ligados a produtos financeiros regulados devem seguir as mesmas leis e regulamentações aplicáveis a valores mobiliários.

Podem ser adquiridos por empresas de caldeiraria e montagem industrial, tokens de consórcio e tokens precatórios, que são exemplos dessa categoria.

Tokens de utilidade (utility tokens)

Os tokens de utilidade permitem o acesso a determinados produtos ou serviços, sejam virtuais ou físicos, por meio de uma blockchain pública.

Nesse caso, não são desenvolvidos com o intuito de funcionar como um instrumento financeiro, e sim oferecer benefícios exclusivos aos seus detentores.

Aplicando isso na prática, funcionam como passes VIP, cupons de desconto, direito de voto e programas de fidelidade. Dos principais exemplos de tokens de utilidades temos o Chiliz (CHZ) e o Basic Attention Token (BAT).

Non-Fungible Tokens (tokens não fungíveis)

Também conhecidos como NFTs, trata-se de códigos de computador armazenados em uma blockchain pública, que representam a posse de um item único e insubstituível, seja ele físico ou virtual.

Comumente são utilizados para registrar a posse sobre objetos colecionáveis, itens de jogos online e obras de arte. Comprando um NFT, o detentor compra também o direito de propriedade sobre o item exclusivo que o token representa.

Assim como sabe uma empresa de monitoramento e rastreamento de veiculos, exemplos famosos de NFTs são os tokens da coleção Bored Ape Yacht Club e as criaturas do jogo Axie Infinity.

Stablecoins

Esses são criptoativos lastreados por algum ativo mais estável, como ouro, prata ou moedas fiduciárias, como o dólar, euro, entre outras.

É uma forma de driblar a volatilidade de preços pela qual as criptomoedas passam, e os exemplos mais comuns são o Tether (USDT) e USD Coin (USDC), que são pareados com o dólar americano.

Central Bank Digital Currencies (CBDC)

Trata-se de moedas digitais emitidas pelos Bancos Centrais em sua unidade de conta. O objetivo aqui é complementar seu sistema de pagamentos, podendo optar por serem direcionados para transações de varejo, tanto estritas quanto abertas.

Como bem lembrado por uma empresa de fornecedor de vacuum forming, a China é um país que tem um avançado desenvolvimento de sua própria moeda digital por meio de uma blockchain privada administrada pelo governo chinês.

Por que os digital assets são tão importantes?

Podemos concluir que os digital assets ganham cada vez mais importância porque estão cada vez mais presentes em nossas vidas profissionais e pessoais.

Havendo o avanço da blockchain e das aplicações para a web 3.0, a tendência é que os ativos digitais se tornem um elemento central dessa nova economia, cada vez mais digital.

De forma concomitante, empresas e governos também estão adotando os ativos digitais, pois encontram neles diferentes soluções para seus negócios e problemas frequentes.

Sendo um resultado da ampliação da aplicação da tecnologia blockchain e da adoção de ativos tokenizados, surgem novas oportunidades para diversificação de investimentos de forma muito mais descomplicada e acessível.

Como são removidos vários intermediários e burocracias que existem no mercado tradicional, esses ativos são negociados a um preço inicial muito mais baixo e de forma muito mais simples.

Exemplos de ativos de baixo risco e alto retorno são os tokens de músicas e de precatórios, que quando tokenizados passam a estar a um fácil acesso para investidores menores.

Para uma empresa de gerenciamento de switches assim como para os demais segmentos, isso abre portas para investimentos mais complexos, com grande potencial de retorno e mais liquidez.

Isso tudo chegando a uma parcela maior da população, pois antes estava ao alcance somente de grandes investidores e empresas.

Vantagens de investir em digital assets

Podemos concluir que os digital assets estão trazendo mais eficiência e democratização para os investimentos, oferecendo algumas vantagens.

Entre elas podemos citar mais acessibilidade a investimentos de alta performance, possibilidade de diversificação com novas alternativas de investimento e segurança e transparência garantidas pelas blockchains públicas.

Riscos desse investimento

Não se pode negar que todo investimento está sujeito a algum tipo de risco. De forma geral, os riscos de investir em digital assets são os mesmos que qualquer outro investimento.

São riscos ligados a fatores como performance, crédito, contextos de mercado, especulação e liquidez. Em caso de criptoativos, é importante considerar a alta volatilidade, característica desse tipo de ativo.

Considerações finais

Neste artigo você aprendeu tudo sobre digital assets, seus tipos, vantagens e riscos, vendo todos os detalhes.

Aconselhamos que, antes de comprar qualquer ativo tokenizado, você faça uma boa análise do seu perfil de investimento e sua tolerância a riscos.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *