Luna derrete e UST se recupera, mas continua longe do dólar

Luna derretou nos últimos sete dias. Gráfico: CoinMarketCap.

No mundo das criptomoedas, movido pela volatilidade e altos riscos, as chamadas stablecoins, moedas digitais com lastro em ativos reais, parecem trazer um porto mais seguro aos investidores. Contudo, os últimos dias estão colocando em xeque essa máxima, ao menos para as moedas estáveis que optaram por se utilizar de algoritmos para garantir paridade ao ativo escolhido. A Terra USD (UST), chamada de moeda estável porque deveria estar no patamar de um dólar, está há dias derretendo e levando agentes do mercado a decretar a morte do token.

Hoje (11), mais uma vez a UST sofreu e a Luna, que faz parte do mesmo ecossistema, derreteu. Na madrugada desta quarta-feira, a UST estava na casa de US$ 0,30. Subiu ao longo do dia e às 20h20 estava em US$ 0,80. Ainda é cedo para dizer se isso é uma recuperação sustentável. A Terra Luna derreteu 93% de seu valor em 24 horas até 20h20, passando de US$ 17,46 para a faixa de US$ 1,1.

A forma como a stablecoin é lastreada em dólar explica a queda de ambas: ao invés de um lastro de dólar real depositado em banco, a UST se utiliza de um sistema de compra e venda de Lunas pelos chamados “market makers”, que lucram justamente para manter a paridade da UST com a moeda americana.

O momento de queda do mercado cripto em geral, com bitcoin na casa de US$ 28 mil às 20h20, aliado à saída de investidores da UST, levaram a um círculo vicioso de quedas que não foram suportadas pelos “market makers”. E isso colocam em dúvida a continuidade do projeto Terra.

Entre as tentativas de manter a paridade da UST foram liquidados US$ 850 milhões em bitcoin das reservas do projeto Terra, o que ajudou a levar o bitcoin à queda. Por consequência do mercado como um todo, a Luna acumulou mais perdas ainda.

Transparência e Regulação

A crise envolvendo o ecossistema Terra apenas reforça a necessidade de transparência, modelos de governança e regulação que permitam às stablecoins continuarem a se desenvolver e atrair players do mercado financeiro tradicional para os ambientes que funcionam através de blockchain.

Ao se deparar com a notícias envolvendo a perda da paridade com o dólar da UST, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, alertou o Congresso nesta semana sobre a urgência de se regulamentar o segmento. “É um produto em rápido crescimento e existem riscos para a estabilidade financeira e precisamos de uma estrutura adequada”, disse Yellen aos congressistas.

Já a União Europeia estaria estudando regras para impedir que as stablecoins substituam as moedas fiat, as oficiais dos países, de acordo com o Coindesk. Não é um documento com uma posição forma da Comissão Europeia, o grupo executivo que governa o bloco, mas pode servir para discussões. A UE e o Parlamento Europeu estão discutindo o marco regulatório de criptos para o bloco.

Ainda segundo o Coindesk, Do Kwon, CEO da Terraform Labs, que criou a Terra, era um dos criadores da também stablecoin Basis Cash. E que também era uma stablecoin algoritmica que durou alguns meses e nunca conseguiu ter paridade com o dólar. Tanto que nesta noite estava na faixa de US$ 0,006, também em queda vertiginosa de um patamar que era pífio.

Antes mesmo de ter início o movimento de queda acelerada da UST, há algumas semanas o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, demonstrou ceticismo em relação às stablecoins algorítmicas.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *