Crypto Festival vai discutir blockchain e Web 3.0 em Brotas (SP)

Para aumentar o conhecimento de profissionais e empreendedores sobre as oportunidades da Web 3, um tema ainda bastante novo, Yam Rikher e Wagner Miyasaki, ambos profissionais de tecnologia, vão realizar o Crypto Festival, em Brotas (SP), de 5 a 7 de agosto próximo. O local do evento é Fundação CEU (Centro de Estudos do Universo), um dos maiores centros de astronomia e ciências da América Latina. 

O Crypto Festival terá 50 palestrantes brasileiros e internacionais. O evento contará ainda com ativações imersivas, assim como dinâmicas tanto para quem estiver no local, quanto para quem acompanhar o evento online. A ideia é realizar uma imersão em Web 3.0. Entre os eixos temáticos principais estão Stablecoins (moedas estáveis), blockchain, comunidades e smart contracts. Além disso, haverá os eixos DAO’s, metaverso, realidade virtual, realidade mista e NFTs. A ideia é fazer uma ligação entre tecnologia e cultura.

Entre os palestrantes estão Carl Amorim (BRI Brasil), Alena Afanaseva, Alexandre Bezerra (Amachains), Bruna Botelho (StadiumGo) e Marcela Ribeiro (Multiledgers). O grupo inclui ainda especialistas como Felipe Ribbe (sócios.com), Bruno Milanello (Mercado Bitcoin), Heloisa Ribeiro (Sp4ce Games), Caroline Nunes (Inspire IP), Rafaela Romano (Impacta) e Anderson Criativo (O Novo Lab)

De acordo com Miiyasaki, “estamos vivendo um movimento cultural com a WEB 3.0. É preciso entender que os cripto ativos, metaverso e blockchain vão muito além da oportunidade de ganhar dinheiro”, cofundador do Crypto Festival. Por isso, “para dar conta da complexidade deste cenário, reunimos empresas, empreendedores e projetos do ecossistema para demonstrar que essas ferramentas são essenciais e podem transformar positivamente as comunidades, negócios, serviços e produtos nos próximos anos”.  

Crypto Festival terá programação cultural e tecnológica

“É muito importante destacar que as mudanças culturais impactam os mercados e o comportamento de consumo. E vice-versa. É um processo de retroalimentação, ou seja, o mercado influencia a cultura e a cultura determina as mudanças do mercado”, explica Miyasaki. “Vale destacar ainda que hoje essas trocas de influências entre e mercado e cultura são mediados sempre a partir da tecnologia. Daí a importância do Crypto Festival ter uma programação cultural e tecnológica simultaneamente em torno da Web 3.0”.     

Do ponto de vista de mercados impactados pelo ecossistema Web 3.0 e tecnologias envolvidas nos processos, é possível destacar: venture capital, marketplace, e-commerce, supply chain, educação, segurança, greentechs. Mas não para por aí. Também serão contemplados, por exemplo, os campos de produção de conteúdo, mídia, entretenimento, música, esportes, moda, games e muito mais.  

No local do evento, poderão participar parceiros, palestrantes, patrocinadores e até 1 mil pessoas selecionadas por meio de uma lista. As inscrições estão disponíveis no formulário do site do Crypto Festival. Mas, o conteúdo das palestras será transmitido online gratuitamente por meio da plataforma do evento.

A escolha da cidade de Brotas e da Fundação CEU tem um motivo especial: oferecer aos participantes também uma experiência agradável de contato com a natureza. Em outras palavras, os idealizadores buscaram transformar a experiência cultural e tecnológica também em uma vivência prazerosa. “A ideia é promover um ambiente para que as pessoas consigam aprender, engajar, conectar e aprofundar o conhecimento de forma descontraída”, diz Yam Rikher, cofundador do Crypto Festival. Brotas Eco Hotel Fazenda dará suporte ao evento.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *