Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

Banco BNY Mellon, um dos maiores do mundo, terá unidade de ativos digitais e plataforma de custódia

BNY Mellon diz que desenvolverá soluções em criptomoedas como bitcoin.

O banco BNY Mellon, o mais antigo banco dos Estados Unidos e um dos maiores do mundo, vai abrir, até o final do ano, uma unidade com foco em ativos digitais. O objetivo é acelerar o desenvolvimento de soluções para atender às demandas crescentes de seus clientes. Isso inclui criptomoedas. O anúncio foi feito hoje (11).

De acordo com um comunicado, o banco está desenvolvendo o que poderá ser a primeira plataforma de custódia de diferentes ativos digitais e de gerenciamento de ativos tanto digitais, como tradicionais. Para o banco, blockchain pode melhorar esses serviços de custódia.

BNY Mellon é um banco de investimentos. No final de 2020, tinha U$ 41,1 trilhões sob custódia, algo como R$ 240 trilhões. Além disso, tinha U$2,2 trilhões (cerca de R$ 12 trilhões) em ativos sob gestão. 

“Fazer uma ponte entre o tradicional e o digital criará um ecossistema de para inovação. Assim, nossas capacidades em ativos digitais devem fazer o setor financeiro avançar em áreas como custódia, gerenciamento de colaterais e emissão, nos quais o BNY Mellon atua”, disse Caroline Butler, líder de custódia do banco. 

O BNY Mellon está em outras iniciativas de blockchain. Por exemplo, com um grupo de bancos globais, apoia uma startup de DeFi finanças descentralizadas.

Além disso, as instituições também usarão a solução. Ela serve para transferência de ativos para instituições financeiras que operam com empréstimos de títulos, assim como com gerenciamento de colaterais.

BNY Mellon vê cripto em pagamento

E na semana passado, o BNY soltou um estudo falando que os bancos devem considerar o mundo de criptoativos em suas estratégias. Isso porque serão usados em pagamentos.

O líder da nova unidade será Mike Demissie, que é também líder de soluções avançadas do banco. O time será multifuncional e multinegócios. A equipe já está desenvolvendo um protótipo de interface com os clientes.

“Estamos orgulhosos de ser o primeiro banco global a anunciar planos de oferecer um serviço integrado de ativos digitais”, afirmou Roman Regelman, CEO de Asset Servicinc e líder de ativos digitais do banco.

No segmento de criptos, a instituição financeira vai utilizar a sua expertise, mas também a de fintechs e outros colaboradores. Assim, quer acelerar o desenvolvimento de produtos.

De acordo com ele, a demanda crescente por ativos digitais, a maturidade das soluções e a maior clareza regulatória são oportunidades para o banco nessa área.

0 Comentários

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>