Blockchain Celo vai migrar para camada 2 da Ethereum

A rede Celo vai passar de uma blockchain independente de camada 1 compatível com Ethereum (EVM) para uma camada dois (L2) da rede que Vitalik Buterin criou. E fará isso usando a OP Stack, da Optimism. De acordo com a cLabs, que desenvolve a Celo, os usuários não notarão nenhuma alteração e as taxas de gás “terão alterações irrelevantes”, mas podem cair.

Entre as vantagens que a cLabs afirma que haverá com a mudança está o aumento da colaboração entre as comunidades. “A Celo se alinhará ainda mais à comunidade Ethereum, o que permitirá uma colaboração mais profunda para as chamadas Propostas de Melhorias da Ethereum (EIP, na sigla em inglês) atuais e a introdução de novas propostas”. Além disso, prevê que a “migração para uma L2 facilitará o uso de ferramentas e bibliotecas da Ethereum no Celo”.

A cLabs afirma, ainda que a migração para uma L2 melhorará a segurança do Celo. Atualmente, a segurança está na mão de 110 validadores que são eleitos por cerca de 300 milhões em Celos bloqueadas. “Isso oferece um nível significante de descentralização e de segurança econômica, mas mudar para uma arquitetura L2 pode aumentar a segurança ao have ancoragem na mainnet da Ethereum”. À parte o fato que será possível usar, ao mesmo tempo, uma fonte descentralizada para disponibilidade de dados.

Quanto à taxa de gás, “como a proposta é para uma solução L2 com disponibilidade de dados off-chain, os custos de gás podem ser muito menores do que em outros L2s que optam por disponibilidade de dados on-chain, como Optimism ou zkSync era” completa a rede, que usará o mecanismo de consenso de prova de participação (PoS).

Para os desenvolvedores, a migração do Celo para um L2 reduz a necessidade de monitorar a compatibilidade, diz a cLabs. Assim, fica mais fácil usar as ferramentas e bibliotecas do Ethereum. Segundo a Celo, ao longo do tempo foi necessário um trabalho considerável para manter compatibilidade.

Historicamente, a evolução da Celo tem se alinhado de perto com a da Ethereum. Tanto é assim que foi uma das primeiros a adotar EIPs como a como EIP-1559, de redução de taxas de gás, por exemplo, e a EIP-4337, de abstração de conta, segundo a desenvolvedora do ecossistema que busca aumentar a inclusão financeira.

Também não deve haver mudanças para o token CELO, que continuará tendo como principal função ser um token de governança para a rede. Quem tem o CELO controla os contratos principais por meio de votações e o conjunto de validadores por meio de staking e eleições. Com a mudança, a cripto subiu da faixa de US$ 0,48 no dia 30 para um pico de US$ 0,51 nesta segunda-feira. Depois, caiu para US$ 0,49, ainda com ganho em sete dias.

Além disso, continuará a ser utilizado para pagamentos de gás. Parte da taxa de gás será usada para pagar por transações na L1 para ancorar a Celo no Ethereum. “Esperamos que este aspecto seja irrelevante em comparação com as taxas de gás totais do Celo”, afirmou o cLabs.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *