Adidas vende sua coleção de NFTs em poucas horas por R$ 121 milhões

NFTs da Adidas darão direito a produtos exclusivos. Imagem: Adidas.
Adidas vende sua coleção de NFTs em poucas horas por R$ 121 milhões. Empresa admitiu que houve problemas de acesso aos tokens.

A Adidas vendeu todos os seus tokens não-fungíveis (NFTs) da coleção Into the Metaverse (No Metaverso) em poucas horas na sexta-feira (17), logo após colocar as peças à venda. Com isso, arrecadou mais de US$ 22 milhões (mais de R$ 121 milhões). No total, eram quase 30 mil tokens. A empresa admitiu que houve problemas nessa primeira venda.

Em minutos, a Adidas vendeu 20 mil NFTs. Esses estavam reservados para quem tinha o protocolo “proof-of-attendance” (“POAP”), ou seja, quem recebeu um código de identificação para a ação. Depois, colocou à venda 9.620 NFTs para o público em geral. E a empresa e seus parceiros ficaram com outros 380 para ações futuras.

Os tokens darão acesso a uma espécie de fã clube. Entre os direitos está a compra de quatro produtos exclusivos em 2022. Além disso, os detentores de tokens poderão opinar sobre os próximos NFTs.

Um dos parceiros da Adidas na iniciativa é o gmoney, investidor, influenciador e consultor para empresas como a Visa sobre NFTs, Outro parceiro é o PUNKS Comic, coleção de 10 mil NFTs cômicos do colecionador e influenciador Beanie e do time Pixel Vault. O terceiro parceiro é o Bored Ape Yacht Club, outra coleção de NFTs.

Cada NFT custou 0,2 ETH (na manhã de hoje equivale a R$ 4,2 mil). No entanto, houve quem reclamou da operação por não conseguir ter acesso aos tokens. No caso, os membros do Mutant Ape Yacht Club (MAYC), comunidade de uma coleção de NFTs.

Adidas vai reembolsar quem perdeu dinheiro ao tentar comprar NFT

Punks Comic é um dos parceiros da Adidas nos NFTs. Imagem: Adidas.

Em seu perfil “Adidas Originals” no Twitter, a empresa assumiu que o lançamento não foi perfeito. “Mas, pela primeira vez, milhares de novos usuários (de NFTs) experimentaram as emoções e riscos da Web3. Nunca vamos parar de aprender.”

De acordo com a Adidas, a “intenção era a de atingir a distribuição mais inclusiva possível e não deixar para trás nenhum MAYC. Assim, a fabricante de produtos esportivos disse que limitou os tokens por transação e transações por carteiras. Afirmou, ainda, que “para evitar bots (robôs), anunciamos a hora o mais perto possível da emissão”. Além disso, “para avisar sobre os riscos envolvendo a Web3, trabalhamos com nossos parceiros em materiais educativos, FAQ e Discord”.

A empresa disse que vai devolver o que as pessoas gastaram em gas durante a pausa do “Acesso Antecipado”. Portanto, vai reembolsar as taxas para fazer transações na rede Ethereum, assim que terminar a verificação das transações. “Para quem pensa que vamos embolsar o dinheiro e fugir, isso não é a Web3. Tenham fé. Para quem achou que a hora (da ação) não estava a seu favor, nossa caminhada está só começando”.

Essa não é a primeira ação da Adidas em NFT. A empresa já fez isso antes, mas com pouco sucesso. Só que o NFT era todo um mistério e não foi atraente. Agora, para comprar os tokens da coleção atual, é preciso ir para o chamado mercado secundário. Isso significa comprar de quem já tem um. A venda é na plataforma OpenSea. No momento da publicação desta reportagem havia um item por 0,798 ethers.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *