Mercado de Criptomoedas por TradingView

TuneTraders quer ir além de tokens para financiar músicas, como fez com faixa de Zeca Baleiro

Carlos Gayotto, fundador da TuneTraders, diz que empresa prepara expansão e token de "grande artista sertaneja".
TuneTraders quer ir além de tokens para financiar música, como os de Zeca Baleiro. A empresa está fazendo captação para expandir operação.

A TuneTraders, startup brasileira que usa blockchain para mudar a forma como a indústria da música funciona, está agora preparando em duas ações de peso. Uma delas é a tokenização dos direitos de co-produção de uma “grande cantora sertaneja”. Algo similar com o que fez com uma música inédita do cantor Zeca Baleiro em agosto passado. A outra ação é uma rodada de captação para sua próxima fase de expansão, que a empresa não abre o valor.

“Temos um roteiro: o primeiro passo que implementamos foi o fomento de novas obras de artistas. O próximo passo é integrar Interfaces de Programação de Aplicativos (APIs) de distribuidoras e associações de músicos. Assim, vamos automatizar o recebimento dos royalties dos artistas e o pagamento para quem comprou tokens para co-produzir seus trabalhos”, disse ao Blocknews o fundador e CEO da TuneTraders, Carlos Gayotto, o Cacá.

Um dos desafios da integração é fazer todo mundo entender o jeito novo de financiar música e distribuir ganhos com blockchain. Hoje, em geral, as gravadoras montam fundos para financiar os artistas. Mas, também trabalham muito na divulgação e relacionamento deles. Além disso, a era da venda dos discos deu lugar à compra de uma música por vez e ao streaming, por exemplo, e para os artistas também é desafiador ver a possibilidade de ganho, diz o empresário.

Por isso, “a TuneTraders quer que o artista faça uma música por mês e no final do ano tenha um disco de 12 faixas”, diz Gayotto. Mais viável, mais rápido de produzir e com receita entrando ao longo do tempo. Para isso, no seu modelo, pode contar com os micro-investidores.

TuneTraders quer fazer disrupção “de fora para dentro”

A TuneTrader quer também que as gravadoras e distribuidoras se juntem à plataforma, que pode facilitar a captação de recursos, reduzir seus custos e permitir que se dediquem, por exemplo, à promoção dos artistas, algo que têm feito cada vez mais, diz Gayotto.

E mais tarde, a startup quer estar até na distribuição, já que o plano é ter um streaming próprio de música. “Queremos fazer uma disrupção de dentro para fora. É melhor do que brigar com todo mundo. Não vamos tirar a gravadora do mapa, é um modelo de ‘coopetition'”.

Desde que começou a operar, no início de 2020, a TuneTraders soma sete casos de músicas com financiamento por tokens. “Fui bem conservador para validar o Mínimo Produto Viável (MVP)”, afirmou Gayotto, que sempre trabalhou com audiovisual, inclusive na Disney e SBT.

Dos sete artistas, os projetos de quatro deles foram de R$5 mil para cada um. Para Zeca Baleiro foram 1.360 tokens a R$ 100 cada, um total e R$ 136 mil. Venderam R$ 58,5 mil. O retorno em royalties para quem tem o token começa a ficar claro em 3 meses, segundo o CEO. “Achei excelente o número, inclusive porque o custo de produção é de no máximo de R$ 15 mil.

Para a próxima “grande cantora do sertanejo”, como a TuneTraders a descreve, sem revelar o nome, a tokenização deve girar em torno de R$ 250 mil. Mas, o projeto inclui também diversas outras ações de lançamento da faixa, inclusive em programas de TV em horário nobre. Segundo a startup, a artista tem que tem “milhões” de seguidores no Instagram.

Startup usa Hyperledger Fabric

TuneTraders lançou 1.360 tokens de Baleiro e vendeu 585, o que achou bom: TunaTraders.

A startup usa a blockchain Hyperledger Fabric desde o início, na fase de protótipo. Isso porque uma tecnologia pública não soava bem aos investidores. O avanço da Hyperledger, com a solução Cactus, permite a integração com outras blockchains e facilita a interoperabilidade. Assim, poderá mobilizar carteiras para usar o token Ethereum ERC-20, por exemplo. O token da empresa é proprietário.

Agora, a TuneTraders acaba de fechar a contratação da GoFabric, plataforma de orquestração de redes em blockchain Hyperledger da GoLedger, e também a prestação de serviços de desenvolvimento. “Ajudamos os clientes a fazer o desenvolvimento, mas não precisam ficar conosco para sempre. Se no futuro não quiserem mais permanecer com a GoLedger, ficam com o código”, diz Otávio Soares, COO da empresa.

Maurício Magaldi, mentor de blockchain da startup, afirma que a GoFabric dará mais robustez ao projeto. E que a escolha pela GoLedger se deve ao fato de ser a principal empresa com domínio da solução no país.

Gayotto explica que a TuneTraders, como a indústria fonográfica, segue a regulamentação do Escritório Central de Arrecadação (Ecad), que faz as cobranças de veiculação de conteúdo de direitos autorais.

O token também não é um security, ou título que dá ganho financeiro, que precisaria de autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), caso também de determinados crowdfundings. E não é security porque quem compra afeta o ganho, já que quando escuta a música, gera royalty. No security, o detentor do título não tem essa influência.

Plano é ter streaming próprio e se internacionalizar

No entanto, o plano futuro da TuneTraders não envolve só a plataforma própria para executar as músicas. A startup também quer se internacionalizar e para isso, precisará de recursos. Poderá ser até por meio de emissão de criptomoeda (ICO), mas isso dependerá da demanda, porque o projeto não precisa de cripto para rodar.

Gayotto explica da seguinte forma a ideia de uma plataforma para executar as músicas: “Para o usuário é excelente usar o Spotify, mas para o artista que não vende mais disco essa situação é horrível. A gente quer incomodar os atores muito grandes do mercado e devolver o poder para os artistas.”

“A minha visão é que há dois anos, num auditório com 100 pessoas, havia em média 500 devices conectados. Muito em breve, esse número de devices aumentará exponencialmente, cruzando dados o tempo todo. Então eu vou ouvir uma música e se estiver no blockchain, posso passar a execução pública para coletar os royalties”, diz o empresário.

E a empresa também pensa nas mídias de vídeo: “Isso tem um potencial incrível, mas primeiro precisamos validar o ticket menor”, explica Gayotto.

A TuneTraders é membro da iniciativa Open Music, do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e do Berklee College of Music que estuda uso de novas tecnologias na cadeia de produção da música e passou pelas aceleradoras FGV Ventures e Big Bets.

Compartilhe agora

1 comentário em “TuneTraders quer ir além de tokens para financiar músicas, como fez com faixa de Zeca Baleiro”

  1. Pingback: TuneTraders wants to go beyond tokens to finance music, as it did with Zeca Baleiro’s track | EmergingCrypto.io

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.