Covantis, rede blockchain para exportação de grãos, se expande do Brasil para EUA

Covantis é startup para exportação de grãos como soja.

A Covantis, startup de blockchain para empresas ligadas à exportação de grãos trocarem de dados sobre os embarques, está expandindo de forma significa sua operação. Agora, além do Brasil, tem também Estados Unidos (EUA) e Canadá na rota, assim como dados de mais produtos. O objetivo da startup é reduzir papelada, emails, tempo e, portanto, dar maior eficiência a um setor conhecido por ser arcaico em seus processos.

O piloto do projeto começou em de 2020 com as seis traders fundadoras deslocando soja e milho do porto de Santos (SP) para a China. O objetivo da startup é reduzir papelada, emails, tempo e, portanto, dar maior eficiência a um setor conhecido por ser arcaico em seus processos.

Só a exportação de soja e milho do Brasil, que é a que estava em blockchain inicialmente, gera mais de 25 mil e-mails para cada carregamento marítimo num ano. Isso significa mais de 275 milhões de emails anuais. Em 2021, a plataforma entrou oficialmente no mercado. E entraram também os embarques de farelo de soja.

Além de EUA e Canadá na rota, entram também trigo, canola, sorgo, cevada, arroz, farinha de milho e polpa de beterraba. Assim como dreche, ou DDGS, que é um resíduo de cereais e um subproduto da indústria cervejeira. A startup usa solução Ethereum da Consensys.

De acordo com Sorin Albeanu, diretor comercial da Covantis, ao incluir novos fluxos, a plataforma vai dar maior eficiência e aumentar de forma significativa os volumes que metade dos clientes executam. “A maioria dos grandes exportadores e traders já estão na plataforma e cobrimos os maiores mercados em volume. Por isso, esperamos que mais compradores entrem na Covantis nos próximos meses”, completou.

Covantis usa blockchain para dados sensíveis

A Covantis permite o registro de dados e troca, por exemplo, de contratos, instruções, certificados, localização e dia e hora dos embarques das cargas. Isso quer dizer informações sensíveis. Como está em blockchain, há segurança no registro e troca das informações entre as empresas da cadeia de fornecimento do segmento.

O grupo de usuários inclui participantes como exportadores, traders, empresas de navegação, portos e armazenadores das cargas. A plataforma tem 50 empresas de 16 grupos de agronegócios preparadas para usar a plataforma para as novas commodities, segundo a Covantis. Mas, no total, tem 24 clientes e mais de 80 empresas usuárias, diz a CEO da empresa, Petya Sechanova. Os seis fundadores foram as gigantes ADM, Bunge, Cargill, LDC, Viterra – empresa da Glencore – e a chinesa de alimentos Cofco International.

Em dezembro passado, a Covantis anunciou que a japonesa Marubeni decidiu investir e comprar ações da startup. “Trazemos um rico conhecimento em gerenciamento de cadeia de suprimentos com uma forte base em licitação, distribuição e armazenamento no Japão”, de acordo com Akira Terakawa, Chief Executive Officer da empresa.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *