Mercado de Criptomoedas por TradingView

Liqi fecha parceria com Vivo Keyd de jogos eletrônicos

Free Fire é um dos jogos da Vivo Keyd, que fez parceria com Liqi.

As diferentes arenas esportivas têm vivido um boom de patrocínios e parcerias de players do ecossistema cripto em todo o mundo, movimento que não poderia excluir as competições organizadas de jogos eletrônicos, ou E-sports. Nesta semana foi anunciado um contrato de patrocínio e parceria entre as empresas Vivo Keyd e Liqi, que vai investir no time a lançar Fan Tokens e NFTs do clube de E-sports.

O contrato, com a duração de um ano, prevê o lançamento dos NFTs em maio. Enquanto isso, o logo da Liqi já está sendo estampado na camiseta dos players dos times da Vivo Keyd, que incluem os games Free Fire, CS:GO, Valorant, entre outras modalidades.

“A parceria é um passo muito importante para a Liqi. Por ser entusiasta de games e esportes, estou feliz em sermos pioneiros e oferecer a tecnologia para criar NFTs e Fan Tokens que vão aproximar os fãs dos times e games que amam”, comenta Daniel Coquieri, CEO da fintech Liqi.

Se os patrocínios em estádios de concreto, lotados de potenciais clientes de criptoativos, estão na moda, seria natural a proximidade entre o mundo das criptomoedas e do E-sports. “É muito importante para a gente por muitos fatores, os dois mundos têm tudo a ver. Quem acompanha a Vivo Keyd já pode ficar de olho nas redes sociais, porque lançaremos uma página específica para quem quiser concorrer a NFTs exclusivos com poucas unidades”, diz Coquieri.

Unindo os universos cripto e de games

Segundo o CEO da Vivo Keyd, Tiago Xisto, a parceria inclui conteúdo financeiro educativo para levar informação sobre o universo cripto para os amantes de games.

“Sou um entusiasta de criptomoedas e desse mercado. Admiro muito o Daniel Coquieri como empreendedor pelo impacto que ele vem causando há anos no mercado cripto. Ele é brasileiro e eu acredito muito em nossa força”, comenta o CEO da Vivo Keyd.

A Liqi, fintech de ativos digitais em blockchain fundada no ano passado, recebeu recentemente um aporte de R$ 27,5 milhões, liderado pela Kinea Investimentos, Corporate Venture Capital do Itaú Unibanco, além da Oliveira Trust e Honey Island Capital.

De olho nos torcedores

A movimentação de patrocínios de empresas de tecnologia baseada em blockchain nos diferentes esportes parece uma tendência que só aumenta a cada ano. Para ficar em anúncios mais recentes, vale citar alguns.

A Binance é a nova patrocinadora de cripto exclusiva das competições de futebol Brasileirão Assaí, do Brasileirão Feminino Neoenergia, do Brasileirão Feminino A-2 e do Brasileirão Feminina A-3. A corretora fechou uma parceria de três anos com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Além da marca Binance nos campeonatos, a parceria inclui outras ações, como por exemplo, o desenvolvimento de fan tokens e de tokens não-fungíveis (NFTs).

De acordo com o fundador e CEO da Binance, Changpeng Zhao (CZ), o acordo é importante para ajudar a empresa a expandir a adoção de cripto no Brasil. Com esse contrato exclusivo, a Binance também garante que a negociação dos tokens com ligação às competições que patrocina seja em sua plataforma.

A parceria com a CBF, no entanto, não é a primeira iniciativa da Binance no mundo dos esportes. No Brasil, a empresa já patrocina o Paulistão Sicredi e o Santos Futebol Clube. No exterior, patrocina a Copa Africana de Nações, maior evento de futebol do continente africano. E patrocina, ainda, os times de futebol europeu Porto (Portugal) e Lazio (Itália). Além disso, tem parceria com a Alpine, equipe da Fórmula 1.

A Exchange OKX também escolheu a Fórmula 1 e é a patrocinadora oficial da McLaren Racing e da McLaren Shadow E-Sports. O patrocínio vale a partir do Grande Prêmio de Miami de 2022. A marca será exibida nos carros McLaren MCL36 F1, nos capacetes dos pilotos da McLaren F1 Lando Norris e Daniel Ricciardo, e no kit McLaren F1 Team e no kit McLaren Shadow Team.

A Gate.io, uma das principais bolsas mundiais de criptomoedas, apontou o intenso interesse por criptos nos mercados latino-americanos como o Brasil para a decisão do patrocínio à tradicional família brasileira envolvida com o esporte automotivo – a marca se junta a Pietro Fittipaldi, corredor de Fórmula 1, e a Enzo Fittipaldi, que compete pelo campeonato de Fórmula 2.

A temporada 2022 de Fórmula 1 terá ainda outros patrocínios de empresas ligadas do ecossistema blockchain já anunciados. Entre eles estão a Red Bull que fechou com a Exchange BYBIT, a Mercedes com FTX, e a Ferrari com a Velas.

Compartilhe agora

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.