Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

GoLedger é uma das 20 startups escolhidas em programa da Petrobras

GoLedger vai receber, além de recursos financeiros, mentoria da Petrobras. Foto: Petrobras.

A GoLedger, fornecedora de soluções em blockchain, foi uma das vinte empresas que venceu o III edital do Programa Petrobras Conexões para Inovação – módulo Startups. A empresa está no grupo de projetos em tecnologias digitais. As startups que chegarem ao final com projetos bem sucedidos, poderão se tornar fornecedoras da petroleira e de outras companhias do setor.

Esta é a maior seleção do tipo no setor de petróleo, gás e energia, afirma a Petrobras. Isso porque as startups vão receber um total de R$ 22 milhões. Os aportes serão de até R$ 500 mil ou de até R$ 1,5 milhão, dependendo da categoria – deep tech ou soft tech.

“Vamos desenvolver uma plataforma para controle das transações entre os diversos agentes envolvidos na cadeia do transporte do gás natural no Brasil. Essa plataforma seguirá as regulações vigentes e terá como base a tecnologia blockchain, conhecida pela sua confiabilidade de registros dentro de uma rede com diversos atores. Assim, a contabilização de movimentação e estoque de gás natural”, disse ao Blocknews Otávio Soares, COO da Goledger.

Com isso, será possível alinhar todos os agentes da cadeia do gás, inclusive com a Agência Nacioinal de Petróleo (ANP). E isso de forma auditável. A GoLedger se enquadrou na faixa de recursos de até R$ 1,5 milhão para o desenvolvimento em 18 meses. “Mas, optamos por solicitar menos de R$ 1 milhão e entregar na metade do tempo previsto”, completou.

A GoLedger inclui no seu time para o projeto o ex-ministro de Minas e Energia Marco Antonio Almeida, que será conselheiro. E como consultor terá Aurélio Amaral, ex-diretor da ANP.

Startup tem ex-ministro como conselheiro

Nessa segunda fase do programa, segundo Soares, houve sete reuniões de três horas cada com um gerente de gás da Petrobras e um consultor da centro de pesquisas e inovação da petroleira, o CENPES. O objetivo era mostrar o que é o mercado de óleo e gás e onde a empresa quer chegar.

As verticais do projeto incluem, além de tecnologias digitais (12), robótica (3), tecnologias de inspeção (2), modelagem geológica (2) e eficiência energética (1). A s assinaturas dos contratos e começo dos trabalho deve acontecer no início no próximo mês de fevereiro.
 
Além de recursos financeiros, a Petrobras também dará mentoria técnica e apoio em gestão com consultores do Sebrae. No final do processo, os projetos que tiverem sucesso poderão ser fornecedores da Petrobras e de outras empresas da cadeia produtiva de petróleo e gás. Esse acesso a clientes, fornecedores e potenciais investidores é um das vantagens do programa, diz Soares.

GoLedger fornece soluções em blockchain Hyperledger

GoLedeger fornece soluções para governos e empresas. Sua solução GoFabric é para orquestração de redes em blockchain Hyperledger. O Ministério da Defesa qualificou a GoLedger como Empresa Estratégica de Defesa (EED) e a GoFabric como Produto Estratégico de Defesa (PED).

A startup também já realizou projetos, por exemplo, na Polícia Militar de São Paulo e venceu concorrência da Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice) e da Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar). 

Como mostrou estudo recente da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e da Petrobras, publicado pelo Blocknews na semana passada, a petroleira responde por 10% dos projetos em blockchain do setor de óleo e gás. Há quatro testes e usos, inclusive em parceira com o consórcio que explora o campo Libra, no pré-sal.

Segundo a Petrobras, as startups de edições anteriores estão com projetos em fase final e na fase de validação. A Unidroid, de São Paulo, começa em janeiro próximo a testar em campo os primeiros robôs do mundo de combate a incêndio para área classificada, ou seja, com risco de atmosfera inflamável. A startup passou no edital de 2020.

O diretor de engenharia da Unidroid, José Carlos de Castro, disse que a parceria com a Petrobras foi uma alavanca para o negócio. “Esse processo nos permitiu desenvolver uma tecnologia inovadora que pode nos levar a ser uma das maiores empresas de robótica do país’, afirma.

Além da GoLedger, as startups que a Petrobras escolheu são:

2 Comentários

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>