Claudia Mancini
é jornalista e cientista política, especializada em negócios, blockchain e economia digital

Eneva investe em solução blockchain para contratos de energia; Fohat é a fornecedora

Eneva vai usar blockchain para dar mais segurança a seus contratos de energia. Foto: Pixabay

A Eneva e a Fohat vão testar, em fevereiro e março, a versão alfa de um plataforma para comercialização de energia e automatização de backoffice. De acordo com a Fohat, essa é a primeira plataforma do tipo em energia, porque usa blockchain.

“O que estamos resolvendo é a questão de segurança de mercado”, disse ao Blocknews Igor Ferreira, CEO da Fohat. Em 2019, houve defaults milionários de contratos bilaterais de energia livre por algumas comercializadores.

O “Projeto Energy Intelligence aplicado a Backoffice” da Enevar começou em junho de 2020. O objetivo é aumentar a integração do backoffice com a área de comercialização. Assim, espera-se uma melhora do fluxo das operações e dando mais segurança aos contratos.

Neste caso, blockchain dá segurança aos contratos porque o projeto usa smart contracts, ou sejam executam as regras contratuais.*

A plataforma foca em comercializadores e nos chamados “gentailers”, os geradores que distribuem energia. O investimento no projeto é de R$ 3,4 milhões. Os recursos estão dentro do programa de P&D da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Economia na venda de energia

O projeto garante o rastreamento e a automação das operações. Portanto, deve reduzir custos de operação da Eneva, afirmou Ferreira. “A expectativa é de que a plataforma aumente a eficiência da mesa na operação.”

Mas, esse custo ficará claro quando a empresa rodar os testes. O CEO da Fohat disse que não pode revelar as estimativas já feitas.

Foco de atuação

Depois do calote no setor, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) apresentou uma recomendação de liquidação semanal de contrato, ao invés de mensal. Mas isso aumentaria os custos no backoffice com pessoal, por exemplo. O setor não aplicou o modelo.

Foi, então, a partir do calote e desse processo de liquidação que a Fohat buscou soluções de segurança para o mercado e de automação do backoffice na integração com as mesas de negociação. Como uma das prioridades do mercado é segurança, essa também é uma das principais áreas da empresa.

“O mercado está trabalhando forte nisso”, completa Ferreira. E para esses casos, blockchain contribui com criptografia e descentralização, por exemplo.

A plataforma da Eneva usa a Energy Web Chain, blockchain desenvolvida em 2019 pela Energy Web Foundation (EWF). Segundo a Fohat, o uso é na validação e conexão. As operações aprovadas serão criptografadas pela mesa na saída e visualizadas no ambiente de balcão em blockchain, diz Ferreira.

A Eneva tem operações no Norte e Nordeste do país. A empresa tem um parque de geração térmica de 2,2 GW, ou 9% da capacidade do país. Até 2024, deverá atingir 2,8 GW com mais três usinas.

Além disso, em 2019, foi a segunda maior operadora de gás natural do Brasil, com capacidade de produção de 8,4 milhões de m³ ao dia. A empresa tem, ainda, uma comercializadora de energia e gás no mercado livre.

A Fohat também está desenvolvendo um balcão descentralizado de comercialização de contratos com a AES Brasil. Assim como no caso da Eneva, a plataforma está no programa de P&D da Aneel.

*Reportagem atualizada em 27 de janeiro às 14h15 A Fohat corrigiu a informação dada ao Blocknews de que haveria uma contraparte central nesse projeto, A contraparte não se aplica neste caso.

0 Comentários

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>