Nas últimas semanas, o termo NFT (Non Fungible Token ou token não fungível), nome técnico para algo que não pode ser substituído por outro igual, tomou o noticiário quando uma obra de arte digital foi vendida por US$ 69 milhões, operação possibilitada por um NFT que garante sua autenticidade e singularidade. 

A nota de desânimo com o Brasil vem do espanto que esse tipo de notícia ainda causa nas cabeças pensantes e antenadas com o mercado, tanto pela ingenuidade de quem não viu a onda vindo, como pelo fato de não perceber que, em 2017, já flertávamos com o conceito de Cópia Digital Única, em projeto desenvolvido e realizado por empresas brasileiras na edição em português do livro “Blockchain Revolution”, de Don Tapscott.

Na época, como editores responsáveis pelo livro no Brasil, decidimos usar blockchain como pedra fundamental do projeto, explorando todas as possibilidades que a tecnologia permitia: levantamento de fundos, remuneração dos participantes do projeto e registro de propriedade das cópias vendidas.

O registro dos direitos autorais ficou para um segundo projeto, uma vez que são processos que dependem de terceiros e não havia sequer compreensão destes do que era blockchain e sua importância nos processos de propriedade intelectual. A natural falta de interesse dos modelos estabelecidos pela inovação também jogava contra, a ponto de não compensar o tempo e trabalho gasto naquela fase do projeto.

Então, em 2016, foi emitida uma quantidade inicial de tokens de um critpoativo chamado BPCoin, iniciais do selo Block Pub, sob o qual o “Blockchain Revolution” seria publicado. Desse total, uma parte foi vendida para arrecadar, entre amigos, os fundos necessários para o pagamento dos direitos autorais. O restante remuneraria os tradutores, diagramadores, revisores e editores pela tradução e criação do arquivo digital para impressão ou venda em nossa loja própria.

Em termos de inovação isso já era um grande passo, pois tornava-se o primeiro ICO (Oferta Inicial de Moeda) ou TGE (Evento Gerador de Token) do Brasil, além de ser um dos primeiros do mundo a distribuir receitas. No caso, parte das vendas do livro.

Livro com cópia física única

Mas, a grande novidade ficou para o lançamento do livro, onde elaboramos uma rotina de registro das cópias digitais vendidas no Ethereum pela Original.My e a incorporação do hash desse registro nas páginas do PDF do livro. O intuito não era combater a pirataria, mas desenvolver um modelo de negócios com vantagens a todos que possuíssem uma cópia autêntica. Nascia ali o conceito de Cópia Digital Única.

O projeto previa também a impressão de um QR Code na página inicial, com a hash do registro, mas foi abandonado pelo custo adicional a cada exemplar. A solução adotada foi a impressão de um lote de adesivos com as hashes dos registros e colagem nos primeiros 300 distribuídos no evento de lançamento, em São Paulo. O sucesso do teste também provou ser possível criar a Cópia Física Única com propriedade garantida por blockchain.

Durante todo o primeiro semestre de 2017, o Brasil registrou vendas do “Blockchain Revolution” e em agosto distribuiu parte das receitas para quem colaborou no crowdfunding dos direitos autorais e para as cerca de 50 pessoas que trabalharam no projeto. Foi um dos primeiros TGEs a fazer isso no mundo. 

Os números podem parecer pequenos se comparados com o mercado editorial ou um grande best seller, mas a disrupção de toda uma cadeia de produção editorial alcançada nesse projeto, da participação nos resultados, do investimento distribuído e da possibilidade da obra se tornar um instrumento de combate à piratraria e carregar um modelo de negócio embutido num registro criptografado,  não encontrou nada igual no mundo.

Ainda não entenderam NFT

Quatro anos depois desses eventos e agora se discute na Câmara Brasileira do Livro (CBL) o registro de obras em blockchain, porém sem qualquer finalidade, além da garantia dos direitos autorais. Apenas uma editora, além da BlockPub, adotou o sistema de produção distribuída, porém não distribui receitas por meio de criptoativos ou registra seus títulos e suas vendas no blockchain. 

É frustrante ver que ainda não há interesse pela inovação séria e disruptiva gerada dentro das fronteiras do país pela mídia. Mas a febre dos Cripto Kitties e a venda de uma obra de arte por meio dos NFTs conquistam espaços em todos os meios pela bizarrice, nunca pelo que pode pode fazer por artistas, editores, produtores, ou mesmo pesquisa acadêmica. Assim, deixa à própria sorte instituições e profissionais que dependem do consumo remunerado de arte, conteúdo e conhecimento científico.

A esperança reside naqueles capazes de ler as entrelinhas e, seguindo sua intuição, conseguem ir a fundo e incorporar as inovações. Tecnologia existe, capacidade de entrega e conexões com parceiros e organizações também. Só falta um pouco de coragem e visão.

*Carl Amorim é country manager do Blockchain Research Institute (BRI) Brasil, palestrante, instrutor e pesquisador de organizações distribuídas.